domingo, 22 de novembro de 2015

A época terminou...

Passaram 5 meses,  e 5 meses são um tempo justo para perceber o valor potencial de um jogador, de uma equipa e de um treinador E infelizmente, para nós Benfiquistas, está patente que a aposta em Rui Vitória não resulta. E digo-o com lamento, primeiro porque quero o melhor para o clube e segundo porque simpatizo com a pessoa enquanto homem.

Vejamos:

Circunstancias
O nosso onze inicial tal como o dos nossos concorrente sofreram um downgrade

Benfica - Maxi, Lima.
fcp - Danilo, Aexandro, Oliver, Quaresma e Jackson
scp - Cedric, Carrillo e Nani

Factos
- 5 meses decorridos ninguém sabe o onze inicial do Benfica, nem mesmo o próprio treinador.
- durante os jogos os jogadores do Benfica estão constantemente a dialogar uns com os outros como á muito não se via, dando a entender que os treinos da semana não foram esclarecedores.
- a alteração constante da lista de convocados e a aposta exagerada no lançamento de jovens em detrimento de jogadores que estão no plantel desde o inicio da época só poderá causar uma enorme instabilidade no seio do grupo de trabalho. Aqui convém recordar que o plantel é Bi-Campeão.
- o discurso redondo, de pouca exigência quer nas palavras quer no tom protagonizado, por Rui Vitória não faz qualquer sentido num clube da dimensão do Benfica

Em resumo

Perder Jorge Jesus é um erro histórico que em tempo oportuno escrevi, não se pode deixar sair um treinador Bi-Campeão, a não ser que se tenha assegurado a contratação de Guardiola ou Mourinho.

O scp tem treinador a mais e Benfica e fcp têm treinadores a menos.

Nota - É tarde para falar da roubalheira como a do jogo de ontem (nem um traumatismo craniano, nem um braço partido são suficientes para os árbitros marcarem faltas)...

Também na comunicação o Benfica está a perder e por muitos. De acordo em não responder ás provocações dos imbecis...mas esta regra só se aplica quando se vive num país de convivência madura perante a diferença das opinões, o que definitivamente não é a realidade portuguesa.




9 comentários:

  1. Esta e a triste realidade e que nao vai mudar tao cedo.

    ResponderEliminar
  2. Pois,mas não está no nosso adn deitar já a toalha ao chão.

    ResponderEliminar
  3. não tendo nada a opor á sua conclusão é com estranheza que por exemplo no caso dos verdes considere que perdeu carrillo embora faça parte do plantel mas não jogue por questões disciplinares mas depois o salvio que faz parte do olantel mas não joga por lesão não seja uma perda.
    para não falar no enzo até parece que ele o ano passado não jogou para alem de que mais que as perdas o problema esta em quem os substitiu.

    ResponderEliminar
  4. Toda a gente já percebeu: foi um erro histórico. Aposto que o João Tomás acha que ainda é cedo para tirar conclusões. É ele e o Vieira, infelizmente. A tragédia ainda agora começou. Bem-vindos a 2005-2009.

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  6. Pedro Nuno

    Não deito a toalha ao chão. Continuarei a ir ao estádio apoiar a equipa sempre, sem nunca assobiar ou acenar lenços brancos. Mas na minha modesta opinião os sinais da falta de liderança do treinador são muito evidentes e custa-me acreditar que as coisas mudem.

    João Carlos

    São pertinentes as suas observações. Mas o meu post foi feito em analise ao plantel.
    E apenas referi Carrillo por se tratar um caso disciplinar que fortalece a minha opinião face á capacidade/competência de quem lidera (treinador) um grupo de trabalho, perante problemas dessa natureza.
    Enzo Peres jogou meia-época, e verdade seja dita que o fez sem brilho e com a cabeça em Valência, nessa fase valeu-nos Talisca. Quem o substituiu (Pizzi) pouco ou nada conta para o actual treinador.

    O frenesim de querer lançar jovens em catadupa que não constavam no grupo de trabalho inicial como por exemplo: Renato Sanches, Clésio, Nuno Santos; não me parece boa politica. Nem para os citados nem para a equipa. Aceitar a titularidade do Nelson Semedo e do Gonçalo Guedes, ao plante é normal, fizeram a pré-época e nos jogos justificaram. Recorrer com tanta frequência á equipa B em detrimento do grupo de inicial é lançar a confusão e a desconfiança dos demais jogadores sobre a capacidade do treinador que chega.

    Viva o Benfica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. discordo que o caso carrillo demontre alguma coisa sobre o treinador, até acho que por ele jogava, pode demontrar sobre o presidente mas não sobre o treinador.

      verdade o que diz do enzo mas este ano nem epoca nem meia nada, enzo a jogar sem brilho valia o dobro do que o que cá temos este ano para o seu lugar.

      talisca valeu enquanto não tivemos jonas já que era no lugar de jonas que ele rendeu e alimentado pelo enzo que mesmo assim era ele que segurava o meio campo porque o samaris só começou a render em novembro/dezembro.

      pizzi era o substituto de enzo mas a questão é saiu enzo e quem entrou para o seu lugar, a resposta é ninguem. pizzi não conta para o rui mas deslpe quem o leva a mal ele nem o ano passado convenção quanto mais este ano que até jogou e jogou muito mal diga-se.
      pizzi nunca foi um 8 alias nem nunca sera.

      sobre o seu ultimo paragrafo completamente de acordo alias a quantidade insana de jogadores no plantel é mais uma ajuda a isso agora resta saber se foi uma má opção do rui ou se lhe foi imposto.

      Eliminar
  7. como as coisa mudaram, 35 à vista

    ResponderEliminar
  8. Olha, deu-me para vir aqui reler este post "certeiro" :)

    ResponderEliminar