terça-feira, 29 de agosto de 2017

Patinho Feio



Nos últimos anos as bancadas da luz, apesar do sucesso desportivo inerente às vitórias conquistadas, têm sido ávidas de protagonismo presenteando alguns jogadores da equipa com assobios, exclamações e demais desvarios, contribuindo para o insucesso desses mesmos jogadores. Lembro-me, por exemplo, dos atletas Emerson, Bruno Cortez, Ola John e Talisca serem recebidos com desconfiança, para ser simpático nas palavras, e a cada erro provocarem o desespero das bancadas quais responsáveis de tudo o que de mal ocorria com o nosso Benfica.

Este ano o escolhido é Filipe Augusto. Note-se a coerência da plateia pelas similaridades visíveis destes jogadores, mas adiante, parece que o meio campista tem culpa de jogar, de ter sido contratado e de ser a principal alternativa aos dois lugares do meio campo. Quando joga bem (Belenenses) é o adversário que é fraquinho, quando a sua exibição é menos positiva parece que é o único (Rio Ave) quando a equipa não jogou nadinha a começar no seu parceiro do meio campo (Pizzi) que não jogou uma beata.

Por oposição temos o craque, para a dita plateia, Seferovic que personifica o ditado: mais vale cair em graça do que ser engraçado, que já foi julgado, prematuramente, como grande contratação e excelente ponta de lança ao ponto de ser permitido a saída de Mitroglou ou Jimenez. 

Discordo totalmente de ambas as apreciações, Filipe Augusto revelou em novo um enorme potencial que tarda em confirmar, presumivelmente, devido ao elevado número de lesões, algumas de recuperação demorada, que lhe retirou confiança e atrasou a sua evolução. Parece-me que poderá evoluir caso lhe deem condições para trabalhar, num meio campo a dois em que um deles é Pizzi, que do ponto de vista defensivo e de intensidade é quase inexistente, será difícil ganhar a serenidade necessária, é que com excepção de Fejsa mais ninguém consegue triunfar naquele meio campo e atrevo-me a dizer que a culpa não é do Filipe Augusto, Samaris, André Almeida, André Horta, Danilo e outros que tais, existe sim, um mérito gigante do Sérvio que atenua as insuficiências táticas do modelo em que jogamos e do próprio Pizzi sem bola. 

Quanto ao Suíço parece-me claramente que se apresentou numa condição física superior aos seus colegas e aos adversários o que nesta fase da época faz diferença. Tem movimentos interessantes e poderá ser útil mas parece-me de somenos para titular. Estou em crer que as suas exibições cairão à medida que os índices físicos se forem nivelando com a agravante de me parecer um finalizador pobrezinho. Lá para Novembro/Dezembro se verá e avaliará em concreto.

Em suma, nem 8 e muito menos 80, apoiemos a equipa no seu todo sem patinhos feios nem heróis (com excepção eventual para Luisão porque o justifica há bastantes anos) e a crítica que tenha lugar nos dias seguintes ou após os jogos mas nunca durante os mesmos e que os visados, nomeadamente da falta de alternativas válidas para algumas posições da defesa, as sucessivas lesões, a falta de investimento, sejam para quem realmente manda: LVF e RV.

PS: A actuação que gostaria de ver no mercado até dia 31/08: Vender Lisandro e contratar um defesa central que possa substituir os titulares Luisão e Jardel; Contratar um defesa direito que assuma a lateral de caras; Emprestar o Svilar a uma equipa da primeira divisão para que possa jogar e adaptar-se as vicissitudes do nosso campeonato e estádios; Gostava de contratar um 8 algo que desejo antes mesmo do aparecimento de Renato Sanchez mas estou muito expectante relativamente a Krovinovic pelo compreendo a opção se não o fizerem.      

2 comentários: