quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

A melhor mensagem para 2010

Recebi esta mensagem e não resisto a transcrevê-la aqui:

"Que 2010 te traga a força do Javi, a magia do Aimar, a raça do Ramires, a letra do Di Maria, o oportunismo do Saviola, a entrega do David Luiz, a segurança do Luisão, a concretização do Cardozo e a Diana do César Peixoto."

Boas entradas.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

O exemplo João Pereira

Antecipadamente alerto que não me causa qualquer transtorno a ida de João Pereira para o Sporting, contudo o seu nome, percurso e valor deverá constituir um exemplo de má gestão desportiva e sobretudo um alerta para que tal não se repita.
O João Pereira é um jogador formado pelas nossas escolas, dos poucos que chegou à equipa principal e que apresentou valor para se manter. Nunca esperei dele uma mais-valia, um jogador titular que fizesse a diferença, esperava sim num binómio qualidade-preço, um jogador interessante com um espírito de missão assinalável, sempre que chamado cumpria e era barato (ordenado baixo), ou seja, um suplente de grande utilidade até pelos 2 lugares que podia fazer.
A opção tida foi a sua dispensa para a contratação de jogadores mais caros e de qualidade duvidosa reforçando neste momento um rival ainda que a preços totalmente diferentes e do meu ponto de vista despropositados para o jogador em questão.

Actualmente Miguel Vítor cumpre exactamente o mesmo espaço no nosso plantel. Jogador de formação com ordenado baixo, sempre que é chamado cumpre tornando-se um excelente jogador de equipa e de plantel. Correm rumores (pouco infundados) sobre a sua dispensa. Esta a ocorrer será um erro ainda maior que o de João Pereira, há que aprender…

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Superar Patamares

Quando fomos campeões em 2004-2005 todos pensámos que o mais difícil estava feito e que a hegemonia no futebol português passaria a ser nossa, afinal tínhamos ficado à frente dos outros. Um pensamento comum e de certa forma compreensível depois de um interregno que eu considero longuíssimo.
Desta vez e ainda que não tenhamos ganho nada, há algo que começa a mudar, ou melhor há várias coisas que eu destacaria:

Qualidade - Temos neste momento um plantel forte com quase todos os jogadores internacionais, e de topo do futebol, com uma capacidade em termos gerais como há muito não tínhamos.

Atitude - Grande atitude dos jogadores durante o jogo, e isto é muito importante porque são eles mesmos que se controlam e exigem uns dos outros esta forma de ser, porque quem não a tiver vai ser chamado por não ter dado tudo o que tinha. o Balneário mais forte e coeso.

Espírito de conquista - a procura de mais e mais golos, há quanto tempo não víamos isso? E podemos ganhar em qualquer lado.

Carácter - David Luiz e Javi Garcia virem dizer que gostam do clube e que se identificam e que não querem saír, além disso estarem lesionados como o caso do Ramires e querer jogar e dar tudo.

Média de idades - David Luiz, Javi Garcia, Ramires, Di Maria, Fábio Coentrão, Urreta, Miguel Vitor, Roderick o próprio Ruben Amorim, jovens que nos dão garantias de futuro e que serão as sementes que precisamos para continuarmos durante muitos e muitos anos a ter equipas competitivas.

Experiência - Por outro lado a experiência de Justificar completamenteoutros jogadores como mais velhos que fazem uma mescla fundamental.

Rui Costa - Um conhecedor do Mundo do futebol e com uma inteligência e sapiência capaz de trazer jogadores que consideraríamos à partida que nunca viriam.

Jesus e a sua equipa técnica que percebe a dimensão do clube e vai atrás da sua génese vitoriosa, implementando modelos de jogo competitivos e que espelham a natureza do clube, e com uma linguagem corajosa e ambiciosa para levar este grande barco de volta à sua história.

A ordem não é relevante porque todos estes pormenores são importantes, mas a sua conjunção é que nos tornará cada vez mais forte. E nós os adeptos seremos o suporte que os levará até aos títulos.
Haverá outras etapas como a subida de mais juniores à equipa sénior, claro que sim, mas este modelo terá de ser consolidado, quem sabe um dia possamos ter uma cantera como a do Barcelona, mas tudo tem o seu tempo de maturação.

Um bom Natal para todos vós!!

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

David Luiz: «Real Madrid? Amo o Benfica»

Estou com uma dúvida?


Será que todos aqueles que acham que o David Luiz é sobrevalorizado, é claro que pelos Benfiquistas, ou que dizem que é um jogador muito violento, ou como um personalidade ligada ao Porto disse, esta semana, que bastava apertar com David Luiz para ele cometer muitos erros e condicioná-lo durante o jogo, acham o mesmo depois da portentosa exibição do David Luiz neste jogo, em que brilhou mais até depois de ter levado o amarelo.


E depois um gajo chega a casa encharcado e depara com estas declarações, é de sentir orgulho! Os Benfiquistas merecem esta vitória e em particular um Benfiquista muito especial, o David Luiz!

Muito mais que uma vitória

Frio, chuva, vento, mau estado do relvado, todos os ingredientes para que o jogo fosse pobre e mastigado. Puro engano o Benfica surgiu com uma atitude extraordinária, os jogadores foram de uma grande aplicação, além disso conseguiam desenhar belas jogadas num relvado massacrado por horas de chuva consecutivas. Bom futebol, com tabelas e aberturas de grande recorte técnico, quem diria que uma equipa assustada como um treinador de futebol tinha dito era capaz duma performance desassombrada...
Esta vitória representa mais do que três pontos porque foi conquistada em condições dificeis com lesionados e castigados com um tempo péssimo para artistas mas bom para carniceiros como um tal de Bruto Alves, ainda assim jogámos daquela forma bonita e produtiva.
Uma última palavra para dois jogadores que sobressairam pelo facto de terem jogado pouco este ano, Carlos Martins que fez um jogo inteligente pautando as acções de construção com a qualidade que se lhe reconhece e o miúdo Urreta, em quem eu sempre acreditei e já o tinha escrito e que demonstrou uma maturidade e uma capacidade exemplar, chegou viu e venceu.
O espirito de equipa sai reforçado com esta demonstração cabal de força e vontade.

sábado, 19 de dezembro de 2009

Acordem

Iniciamos o campeonato sem quatro titulares (Katsouranis, Reyes, Suazo e Yebda), contratamos outros (César Peixoto, Javi Garcia, Ramires e Saviola) e mudámos radicalmente o sistema de jogo. Equipas perfeitas não existem, muito menos em cinco 5 meses. O tempo de Jesus no Benfica.

Mas comparemos.

Paulo Bento caminhava para a sua quarta época ao serviço da filial de Lisboa do clube do regime. Contado com praticamente o mesmo grupo de trabalho (apenas perdeu Derlei) e… caiu. Estranhamente ninguém se questiona sobre a “grande” equipa de futuro das últimas temporadas fruto de uma acertadíssima política desportiva com forte aposta na formação. Afinal, hoje parece que não passam de um grupo de atletas sem qualidade para vestirem tão “importante” camisola. Eu diria apenas menos sorte e menos favores que no passsado.

Jesualdo a exemplo das temporadas anteriores volta a viajar entre o Inferno e o Céu montado na mão do sistema que empurra a sua equipa e agarra a nossa. Assim não fosse e provavelmente o seu destino teria sido igual ao do seu colega da filial de Lisboa. Também ele caminha para o quatro ano de trabalho com a maioria do plantel.

Eu desafio qualquer um a ver de novo estes cinco jogos:

fcp – Leixões e Benfica – Leixões
Olhanense – fcp e Olhanense - Benfica

Neste primeiro grupo de quatro comparem a atitude, leia-se índice de agressividade e provocações que as equipas do Leixões e Olhanense puseram em campo em função do nome do clube contra quem jogavam.

No jogo da semana passada atentem no “especial cuidado” dos nossos adversários nas disputas de bola com David Luiz, Di Maria e Coentrão. E depois não me venham falar em preparação mental. São jovens de 21 anos cheios de sangue na guelra. Não são maduros e felizmente não oferecem a outra face. O lance da expulsão de Djalmir por si só explica bem melhor do que mil palavras. Só é possível alguém reagir daquela maneira (puxar os cabelos a um colega de profissão, por coincidência à beira da suspensão por amarelos, que se encontrava deitado acabado de sofrer uma violenta entrada) se estiver muito "motivado" e com os recados bem assimilados. Tudo tinha a intenção de condicionar não só jogo que se disputava mas essencialmente o derby da semana seguinte. Nesse mesmo fim-de-semana houve o cuidado de nomear-se para o jogo do dragão o árbitro mais permissivo da liga a que disciplina diz respeito, o Pedro Henriques, de modo a salvaguardar qualquer cartão inconveniente.

Braga - Benfica

Neste último constatem o amontoado de erros, sempre em prejuízo do mesmo, tão próprio da “classe habilidosa” de Jorge de Sousa o eterno líder da classificação dos árbitros no que de bom isso significa. Acrescente-se a intenção conseguida de condicionar a nossa equipa nos jogos futuros com a magnífica expulsão de Cardozo.

Fico incrédulo quando leio e oiço opiniões de Benfiquistas que alimentam a consertada política de comunicação de “paineleiros” e pseudo-jornalisticas ao serviço do clube do regime.
È deste factos que devemos falar. Como sócios temos a obrigação de os denunciar até à exaustão dada a “merda” (desculpem o termo) de silêncio dos nossos responsáveis, treinador incluído. Chateia-me nada termos aprendido com a vergonha do campeonato passado.

Di Maria



Esta quinta-feira o Di Maria voltou a mostrar ao Mudo porque o futebol é o seu maior espectáculo. Mas mesmo assim à quem apenas lembre que foi um mau passe por si efectuado que deu origem ao golo dos gregos, apesar de na sequência Miguel Vitor ter podido rectificar. Jogadores perfeitos não existem. Na falta deles eu prefiro os que arriscam e nos maravilham. O Di Maria fez um golo apenas ao alcance dos génios e não é o seu primeiro desse quilate.

São muitos, aqueles que na bancada da Luz não merecem o talento do Argentino. Para esses eu sugeria entrarmos sempre com 10 atletas e um saco de 10 milhões de Euros no seu lugar.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Até Pinto da Costa apoiou o Benfica

«Depois do nosso clube, nós queremos que ganhe o clube dos nossos amigos. Por isso, é que eu numa final europeia já sofri tanto pelo Benfica como pelo FC Porto».

Esta frase foi dita por Pinto da Costa, a 2 de Dezembro de 1992, à Gazeta dos Desportos e integra uma colectânea de citações publicadas no livro «30 Anos de Mau Futebol», com o antetítulo: «As grandes (e as mais disparatadas) frases do futebol português».

Apesar de não estar referido no livro, o que está em causa é a final da Taça UEFA, em 83. O Benfica perdeu o jogo com o Anderlecht, na Bélgica, por 1-0 e, na Luz, não conseguiu mais do que o empate a um golo.

«É que o Benfica tinha como presidente o meu amigo Fernando Martins», justifica o presidente do FC Porto, alegadamente sem ironia.

Neste livro, encontram-se, portanto, grandes «pérolas» das personalidades do mundo da bola ,nos últimos 30 anos, desde Vale e Azevedo, a Fernando Chalana [aborda o recurso dos jogadores a prostitutas, mas dá a entender que era um "santo" neste aspecto], Jorge de Brito, Toni, Artur Jorge, Camacho [conseguiu dizer que o 1-0 nas competições europeias é melhor do que 3-1], Manuel Damásio [lembro-me da Operação Coração, mas não me recordava que tinha perspectivado uma Operação...Cabeça] Jorge Jesus, José Mourinho e outros notáveis não relacionados com o universo benfiquista, desde Sousa Cintra, no episódio em que Mark Knopfler foi confundido com um futebolista, Valentim Loureiro, Santana Lopes, Jorge Coroado, Octávio Machado, Veiga Trigo e Carlos Valente, entre outros figurões do futebol português. A não perder...

E por falar em reforços

No seguimento do post do Eagle84 a recomendar a contratação de Ruben Micael (que concordo dependendo do preço) e das noticias vindas hoje a lume na imprensa desportiva nacional em especial em "ABola" lembrei-me de fazer as seguintes considerações para Rui Costa e companhia ler:

- Dispensar Miguel Vítor um homem da casa que apesar de não ser um fora de série cumpre sempre que é chamado, isto é, faz um bom banco (qualidade/preço), para ir contratar um qualquer brasileiro parece-me um erro claro e repetido sucessivas vezes;

- Contratações a existirem que sejam valias e verdadeiras opções, contratar para encher não vale apena, os que cá estão são suficientes;

- Se identificaram lacunas (que existem) e pretendem colmatá-las oiçam J. Jesus para indicar as caracteristicas e posições a reforçar, mas tenham em atenção que jogador indicado por este é de evitar, já nos bastam César Peixoto, Júlio César e Weldon, mais não!!!

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Magia de Di Maria e Aimar supera Messi

O jogo desta noite valeu sobretudo pela notável inspiração de Di Maria, um autêntico diabo vermelho à solta, em contraste com a agressão disparatada frente ao Olhanense. Provou, mais uma vez, que se estiver concentrado apenas em jogar futebol, pode, como aconteceu hoje, ser genial.

Marcou dois golos espectaculares, o primeiro na sequência de um remate cruzado, mas o segundo foi ainda mais brilhante, recorrendo ao remate "de letra". Podia ter conseguido um "hat-trick", se a bola não tivesse sido defendida...pela barra. Ou seja, em termos de cotação, demonstrou que pode valer 40 milhões de euros, depois de, em Olhão, nem sequer merecer 40 cêntimos.

O Benfica poupou vários titulares, até podia ter goleado, como sofrido o empate, na consequência daquele final desastrado, parecendo que queria oferecer, nesta quadra natalícia, a igualdade ao AEK.

O que se passa com Weldon?
Com poucas oportunidades, o brasileiro deve estar com vontade de continuar como suplente: provou que corre bem, mas hoje esteve muito...trapalhão. Até começou bem o campeonato, com o golo que evitou que o Benfica perdesse com o Marítimo, foi atormentando por uma lesão e, depois de aparições esporádicas, participou no lance do segundo tento no Algarve, sem que isso apagasse uma exibição discreta.

A vitória de Aimar
Aimar foi considerado o melhor futebolista argentino da década, numa votação promovida pelo «site» Ambito.com, de Buenos Aires, tendo relegado Gabriel Batistuta para o segundo lugar, enquanto "Super Messi" ficou no quarto posto, atrás, também, de Riquelme. Segundo os responsáveis da página, "El Mago" chegou à liderança depois de o «site» do Benfica ter noticiado que a votação estava a decorrer.

O triunfo pode ser discutível, mas convém não esquecer que, há dez anos, brilhava no River Plate e na selecção da Argentina, conseguindo, depois, rumar ao Valência, onde protagonizou épocas de grande nível, tendo conquistado a Taça UEFA em 2004 , antes dos momentos menos felizes sobretudo no Saragoça, devido a problemas físicos. Neste aspecto, é um jogador de risco, mas, nesta época, já demonstrou que pode apresentar um futebol ao nível de Rui Costa.


video

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Já que se fala tanto em transferências...

Já que numa fase importante do nosso campeonato para o nosso clube, onde devia imperar o bom senso e a concentração à volta de uma equipa de futebol, tanto se fala dos 18 milhões de euros que temos para investir, de que o Benfica está comprador e não vendedor enquanto não ganharmos um título, que o Airton e o Kardec estão a chegar, eu também tenho o direito de mandar um bitaite para o mercado de transferências deste mês de Janeiro. Querem comprar um jogador com CLASSE, que vale todos os milhões inflacionados nos últimos tempos? Então vão buscar o Ruben Micael e já!


Sem colocar em causa a qualidade de Airtons e Kardecs, preferia mil vezes que esse dinheiro gasto com estes jogadores, e mais algum é óbvio pois o presidente do Nacional é uma figurinha muito sui generis deste nosso futebol tão português mas não é parvo nenhum e percebe da poda, fosse utilizado para comprar um médio completo que defende, tem qualidade de passe, organiza jogo e marca golos até dizer chega! De uma penada só arranjávamos um valor seguro para o futuro, seleccionável para a selecção e resolvíamos o problema de dois jogadores que embora tenham qualidade não oferecem garantias ao nível de disponibilidade para uma época longa e desgastante, falo do Aimar e do Carlos Martins.


PS – E não venham dizer que a desestabilização com nomes de jogadores, transferências é só por culpa dos meios de comunicação.



MÍTICO

Este fim de semana, o jogo tem tudo para ser épico:

- Com um jogo 3 dias antes;
- Sem pelo menos 3 habituais titulares;
- Roubados (nem sei quem é o árbitro, mas face ao adversário e às circunstâncias, é o mais provável. Pelo sim, pelo não, é de deixar a carteira em casa).

E mesmo assim, estou a pensar em ganharmos pelo menos por 3...

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Frase para o balneário

Era esta frase que eu punha no balneário da Luz,

"Jogadores do FC Porto prevêem semana difícil para o Benfica «com duas derrotas"

n`A BOLA

É uma pena

É uma pena, mais uma vez, chegarmos a este momento da temporada e já estarmos quase arredados da luta pelo título. Os todo-poderosos de sempre já estão no topo da classificação e nós arrastamo-nos miseravelmente pelos fundos da tabela quase moribundos.

É uma pena já termos perdido o jogo do próximo domingo frente àquela equipa que maravilha toda a gente, espantando a Europa na passada 4.ª feira num campo onde este ano mais ninguém consegue ganhar e goleando ontem por 2-0 uma equipa que tem um historial rico no futebol português. Enquanto isso, nós fomos derrotados por 2-2 no campo de uma equipa que agora chegou à I Liga.

É uma pena que a tal derrota que está garantida no domingo nos afaste realmente da vitória no campeonato. Ficaremos tão distantes do tal conjunto demolidor que não haverá possibilidade de recuperação. Onde é que já se viu recuperar dois pontos de desvantagem em meio campeonato?

É uma pena, por tudo isto, que tenhamos de esquecer a temporada de 2009/2010 e começar já a pensar na próxima.

sábado, 12 de dezembro de 2009

Ganhar era impossível

Perspectivava que o Benfica pudesse ganhar no José Arcanjo, ou golear, considerando o bom campeonato que a equipa tem feito e o facto de o Olhanense ser uma das piores equipas da I Liga. Nada disso aconteceu, porque o Benfica simplesmente se esqueceu de jogar futebol ao nível do que tem mostrado durante a temporada: quase sempre, faltou velocidade, jogadas com nexo, capacidade de remate, apesar dos dois golos marcados.

O lance do primeiro golo dos algarvios nasceu na sequência de uma falta inexistente, Anselmo podia ter visto o cartão vermelho, naquela confusão que originou a expulsão justa de Djalmir, mas mais lamentável foi o futebol praticado que se tornou na principal razão para o empate de hoje. Em condições normais, o Benfica tem qualidade para ganhar facilmente ao Olhanense.

Nuno Gomes revelou-se decisivo e devia ter entrado mais cedo, tal como Felipe Menezes, desde que estivesse com outra inspiração, enquanto Weldon não trouxe nada de novo.

Como se a «desgraça» fosse pouca, o Benfica, frente ao FC Porto, não poderá jogar com Di Maria, com uma exibição desastrada e uma expulsão pateta, Ramires, Fábio Coentrão - não foi tão bom como tem sido este ano - e possivelmente Pablo Aimar, jogador fundamental na estratégia de Jesus. São demasiadas contrariedades, mas só assim é que se pode perceber se o plantel é suficientemente rico para oferecer soluções credíveis.



Farto disto

O futebol Português está podre, é podre e continuará podre. No jogo de hoje tivemos uma arbitragem habilidosa (preparado antecipadamente para mostrar amarelos ao minimo toque), uma equipa adversária quezilenta e a lutar como se não existisse amanhã, picardias e confusões. Do que escrevi anteriormente qual é a novidade? Todos os Benfiquistas que conheço, na maioria dos blogues que leio se falou durante a semana do que ai vinha, todos sabíamos que iria ser assim e qual é a atitude da nossa equipa? Displicência, desconcentração, falta de atitude. A equipa foi mal preparada para este jogo, quer a nível táctico mas sobretudo a nível mental. Assumam-se as responsabilidades do medo com que a equipa entrou para este jogo, nomeadamente, Jorge Jesus que se afundou por completo e cresçam, façam-se homens se querem ganhar.

Estou realmente farto deste futebol, mas não estou menos farto destes meninos que têm a honra de defender as nossas cores.

Desculpem o desabafo.

Benfica, Meu Eterno Amor - GUILHERME CABRAL

Vi este video no youtube e não resisti a colocá-lo aqui, depois de tantas injustiças a que temos sido sujeitos, ainda há coisas que nos fazem sorrir emocionar desejar e acreditar que tudo só poderá ser melhor, não há dúvida este clube é mágico! É esta força que nos projectará ao que é nosso!

Deliciem-se

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Mais uma vitória



O Benfica em Basquetebol continua na senda das vitórias, A Supertaça é nossa.

Omissão de auxilio

Cardozo regista neste momento para a liga Sagres 14 golos em 12 jogos, ainda assim os seus detractores continuam com parangonas e justificações absurdas afirmando que não é jogador para o Benfica. Os média falam em poste no meio dos centrais, outros dizem que é lento, limitado não sabe jogar de cabeça. Os factos são evidentes não mentem só não vê quem não quer.
Cardozo não cria golos, marca-os e é este pequeno pormenor que distancia as opiniões. Jorge Jesus viu em Cardozo aquilo que Camacho e Quique Flores não viram, um marcador de golos em que a equipa deve girar. Toda a estrutura e movimentações da equipa têm como epicentro o nosso ponta de lança. As vantagens são óbvias reflectem-se nos números os problemas surgem na sua ausência. Em termos de estratégia para uma esperada e vitoriosa época os riscos eram pequenos, Cardozo raramente é admoestado, logo, dificilmente castigado, raramente tem lesões apenas teria que ser gerido nas suas deslocações para representar a selecção. O que não contávamos era que este pudesse ser punido por ser agredido ou por assistir a agressões sem ripostar. Após visualizar as imagens no túnel de Braga, só podemos concluir que Cardozo foi castigado e punido pelo crime de omissão de auxilio. Esta figura jurídica que foi repescada da sociedade civil para o nosso futebol levanta-nos graves problemas de conduta para os próximos jogos, o que fazer com Cardozo?
- Se responder a agressões e/ou defender um colega é castigado;
- Se nada fizer castigado é;
O melhor será afastá-lo de todo e qualquer aglomerado de jogadores, túneis ou quaisquer acessos mal frequentados, o que convenhamos não será fácil.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

O Júlio de Matos é já ali

Acabei de cometer a insensatez de ler a crónica de Eduardo Barroso na A Bola, mas fi-lo, porque percebi que a página era dedicada praticamente ao Benfica, o que despertou a minha curiosidade, antes de concluir que não deve ter havido tanta estupidez concentrada desde que existe Imprensa em Portugal.

Raramente leio o que este sportinguista escreve, há muito tempo que não vejo o que diz na televisão e confesso que lhe achei, por vezes, alguma piada. Voltando ao artigo de hoje, consigo perceber que deteste o Benfica, não vista roupa vermelha e considere que temos pouco mérito nas vitórias, agora não aceito as referências desastradas que faz às grandes qualidades dos melhores jogadores do Benfica.

Escrever que Di Maria é um jogador de futsal, invenção da Imprensa, significa que Eduardo Barroso endoideceu ou está lá muito perto. Mais rídiculo é quando considera que Aimar «é outra invenção dos media», esquecendo ou ignorando o currículo de luxo no River Plate, Valência, selecção da Argentina, à qual regressou depois de ter demonstrado que é o melhor número dez do campeonato, ao nível, por vezes, do que Rui Costa exibiu no Benfica. Quando garante que não o trocaria por Matías Fernandez ou Miguel Veloso, deve ter sido debaixo de forte anestesia, que lhe tolheu a inteligência.

Provoca Javier Garcia, igualmente um dos melhores trincos de Portugal, e o facto de o comparar com João Moutinho só dá para rir. Nem refiro quem prefiro, mas são jogadores de características e posições diferentes, logo equipará-los é um erro. Estende as críticas a David Luiz, catalogando-o de faltoso, o que por vezes até verdade, mas se os árbitros não assinalam as infracções, tal como Barroso insinua, o nosso central não tem, como é óbvio, culpa disso. Continua no mesmo registo, visando Quim, Óscar Cardozo, por não ser titular no Paraguai, mas Liedson teve de optar por Portugal, porque senão nunca jogaria no Brasil, Jorge Jesus não escapa, mas com tanto fundamentalismo elogia Paulo Bento, benfiquista como todos sabem.

Consegue, também, escrever que a Selecção pode repetir os feitos do Mundial de 1966. Pela lógica que apresenta, não o devia ter feito, pois como se sabe os grandes trunfos eram do Benfica, a não ser que Eduardo Barroso considere que Coluna, Simões, José Augusto, Torres e Eusébio formavam os Cinco Violinos.

Como figura pública este tipo de comportamento não lhe fica bem: se o objectivo era atacar o Benfica, com inteligência, sentido de humor ou ironia não conseguiu. Lamentável!

PS: Morada do Hospital de Matos - Avenida Brasil 53, 1700-063 Lisboa.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

40 Milhões

Começo desde já por dizer que acho duvidoso que alguém venha a pagar isso pelo Di Maria. No entanto, se houver algum maluco pronto para pagar tanto por ele (ou perto disso), eu diria que é de aproveitar enquanto der.

É bem verdade que o Di Maria desta época está incomparavelmente melhor que na anterior e que sem dúvida que é um jogador com talento,potencial e de quem até gosto, mas continua muito inconsequente e não sei se não ao seu limiar máximo se não for para outro clube, num campeonato mais exigente e onde possa desenvolver o potencial que tem.

Com as notícias que vão aparecendo sobre a nossa situação financeira, e mesmo sabendo que o nosso clube é a marca que é, há sempre alguma preocupação quando se vê o passivo que há, o investimento que é feito e o facto de não haver praticamente receitas de vendas de jogadores.

Assim, acho que é uma situação em que todos ficam a ganhar.Com os 40 milhões conseguiríamos comprar um substituto bem decente (e se calhar até melhor, nalguns aspectos - Reyes?), reforçar a equipa no que possa ser preciso (um lateral-esquerdo não era mal pensado) e abater no passivo, sempre tendo em conta que no plante haverá alternativas (Fábio Coentrão, César Peixoto, Urreta). Do seu lado, o Di Maria pode crescer noutro clube (que há-de ficar com o risco de ver se o potencial que existe sempre se confirma) e esperarmos que corra tudo bem.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Serenata à chuva perante o Mourinho de trazer por casa

O Benfica voltou às goleadas, o que não acontecia desde o jogo com o Nacional, e não deixa de ser notável o facto de a vitória expressiva ter sido sob chuva, que empapou o relvado e condicionou o resultado, porque a equipa, com melhor tempo, podia ter igualado, pelo menos, os oito golos que marcou ao V. Setúbal. No entanto, o mais importante são os três pontos e voltar a estar em igualdade com o Sp. Braga.

Cardozo provou, novamente, que é um «bombardeiro» implacável. Marcou três golos e podia ter conseguido mais um ou dois. Claramente, trata-se de um jogador fundamental e o mais difícil de substituir, caso saia por lesão, castigo ou vá para outro clube. Finalmente, o Benfica pode ter um futebolista capaz de ser o melhor marcador do campeonato: desde 1990/91, que não há nenhum benfiquista que imite Rui Águas neste «ranking»; em 2002/2003, Simão marcou os mesmos golos do que Fary, mas perdeu o troféu, porque totalizou mais minutos.

Saviola só marcou um, mas foi o grande golo da noite e o argentino é a melhor contratação da temporada. Um talento puro, que me surpreende cada vez mais, e merece ir ao Mundial.


Mourinho mas pouco

Achei piada quando André Vilas Boas apareceu como possível salvador da pátria do Sporting. Poderá, no futuro, ser bom treinador, mas sair das «asas» de Mourinho e voar, de imediato, para um «grande» seria um disparate. Como Mourinho há poucos, e quem o compara com o nosso ex-treinador, esquece-se que tem um percurso totalmente diferente: é um sobredotado, nasceu a ver jogos e a fazer relatórios para o pai, foi adjunto no Vitória de Setúbal, Estrela da Amadora, Sporting, FC Porto e Barcelona, antes de chegar ao Benfica.

Vilas Boas, como cópia limitada do mestre, consegue «levar 4» do Benfica e dizer que o resultado não foi uma goleada. Fantástico! Naturalmente, comparando com os 8-1 do encontro com o V. Setúbal, não foi um resultado tão expressivo. Só lhe faltou dizer que merecia ganhar, mas esteve perto de tal proeza: sem que ninguém lhe perguntasse, fez questão de salientar que houve um penálti por marcar, devido à falta sobre o Éder. Não me lembro do lance, nem quero, mas dizia o Mourinho II que a Académica teria feito o 3-1. Toda a gente sabe que, com este tento, o adversário iria transformar-se e empataria ou ganharia por 4-3... Ridículo! Enfim, perdeu excelente oportunidade para estar calado.




video

domingo, 6 de dezembro de 2009

Quem marcará mais?

Uma pergunta que me persegue:

Neste momento um homem marcou mais golos que um clube, 14-12.

Quem vai marcar mais, Cardozo ou o Sporting?

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Dia 02-12-2009 para mais tarde recordar


Hoje é dia 2 de Dezembro de 2009, e Eduardo Barroso o famoso cirurgião diz que o Benfica maravilha não será campeão, folgo em saber que o Doutor se preocupa com o maior clube português, principalmente por escrever sobre os outros e se esquecer que o seu está mais furado que um queijo suiço tal não é a quantidade de buracos que lá existem. Se extrapolássemos para o dominio da sua área estou em crer que o Sr Doutor teria muitas dúvidas em operar o doente tal é a sua fragilidade, e só faço estas afirmações por reconhecer que efectivamente o sr possui poucos conhecimentos sobre esta arte que se chama futebol. Estar preocupado com um paciente que tem uma saúde aceitavel em detrimento de um paciente que está completamente moribundo, não me parece a melhor solução ainda para mais sabendo que o segundo lhe é tão querido. " O Benfica maravilha não será campeão", pois, e o Sporting Péssimo nem sequer irá à UEFA, ou O Sporting Deprimente está mal classificado, ou O Sporting de Rastos já não ganha à não sei quantos jogos para o campeonato. Uma coisa é certa já percebeu algo que o Carvalhal não percebeu é que o Sporting não vai ser campeão e isso deixe-me que lhe diga, fica-lhe bem.
Quanto à sua capacidade de intuição ou de presságio sobre o futuro, penso que esses temas serão mais interessantes para uma Maya ou um Paulo Cardoso, e não para um homem da ciência e do conhecimento, o desespero leva a muitas coisas, mas não estou a ver o Doutor de turbante com uma bola de cristal à sua frente.

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

O modelo de jogo

Segundo parece este blogue começa a ganhar muita visibilidade, imagine-se que o último texto que fiz foi copiado integralmente por outro blogger, seria importante que todos expressassem as suas ideias à sua maneira porque os assuntos são muitos e seria mais enriquecedor para a defesa do nosso clube.
Adiante, o facto de termos perdido 2 pontos na deslocação a Alvalade não me preocupa, lógicamente que preferia ganhar ao Sporting até porque não teriamos perdido a liderança conjunta com o Braga. Mas o que me leva a escrever é que aconteça o que acontecer o Benfica deve jogar sempre com 2 pontas de lança, foi assim que ganhámos tantos titulos foi assim que goleámos tantas e tantas vezes, o regresso ao passado é quanto a mim impensável, e é necessário que haja uma forma de jogar baseada num sistema ganhador. Não podemos recuar, os jovens que entram no nosso clube tem de conhecer a história a tradição o coração deste grandioso monstro. O exemplo do Barcelona é importante, também eles fizeram a travessia mas instituiram principios de jogo aos seus jovens, aos seus atletas, deram-lhe a conhecer a história, envolveram-nos e tiveram frutos. Não que eles sejam maiores do que nós mas tiveram uma organização numa altura dificil, e nós estamos a fazer um caminho longo e dificil mas vamos conseguir com o grande Rui Costa no leme e com Jesus no comando da equipa o futuro é grande o modelo de jogo que faz jus à história será respeitado como tem sido até aqui e a onda está a crescer harmoniosamente. Numa semana complicada estou muito tranquilo é que eu lembro-me do passado recente e nós não podemos vacilar, porque as forças do mal continuam activas e este é o momento para as exterminar mas para isso será necessário que actuemos em bloco para que as manobras dos nossos opositores não nos destruam.

domingo, 29 de novembro de 2009

JAVÍ GARCIA UM DOS NOSSOS


Sobre o jogo entre o Benfica e o oitavo classificado pouco tenho a dizer, gostei da entrega dos jogadores num jogo muito táctico e que foi praticado num batatal.
O motivo que me levou a escrever foi fundamentalmente o facto de ainda haver jogadores que amam o futebol que sentem o futebol que vivem o futebol, o espirito dos miúdos de rua que jogavam durante 4 horas seguidas entre balizas de pedras não morreu, está vivo, afinal eles ainda existem. Aquela vontade férrea de querer vencer de querer jogar de não desistir de não mandar a toalha ao chão de saber com que linhas se faz uma equipa eu vi ontem numa imensa determinação num homem de nome JAVI GARCIA.
Que coragem. Após uma entrada dividida, JAVI GARCIA parte a cabeça e logo aí se nota que o sangue lhe escorre vigorosamente, poder-se-ia pensar depois de tanto sangue se ele conseguiria regressar, é assistido e volta com uma ligadura. E para mim começa aqui a força de um verdadeiro campeão de um jogador à BENFICA. Com o penso que lhe envolve a cabeça ele não evita os movimentos que faz não se esconde joga com a cabeça como se nada acontecesse vai à luta, mas continua a sangrar, e o sangue que lhe jorra da cabeça é tanto que é chamado à atenção porque não pode estar a sangrar dentro do terreno de jogo, é assistido? não. Passam-lhe uma toalha na cabeça e ele continua a jogar, e uma vez e outra e outra, e ele nem está interessado em saber se escorre muito ou pouco sangue ele quer jogar ele quer lá estar ele só quer estar lá dentro junto dos seus companheiros, não vislumbro nenhuma preocupação com a sua saúde, como se não precisasse de sangue para viver para existir, mas o sangue continua a escorrer e é chamado à atenção porque o sangue não pode escorrer pela cabeça a baixo mostra-se mais uma vez agastado por não o deixarem entrar em campo mais rápidamente e estrebucha para que o deixem jogar.
Silêncio.
Ele não tem a noção do que passou a ser para os benfiquistas a partir de hoje, muitos de nós certamente se reviram em sacrificios, e foi este espirito batalhador e humilde que caracterizou o Benfica, o clube lutador.
O futebol deve ser um espectáculo de côr e de alegria e não de dôr, mas JAVI GARCÍA demonstrou o seu carácter e a sua coragem porque ama o que faz porque gosta da sua vida e porque quer lutar até à exaustão para ser feliz.
Seria engraçado que no próximo jogo as claques o brindassem com cânticos dirigido a ele, ele merece ele é um dos NOSSOS!

ps: Javi Garcia ao que parece levou 12 pontos

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

FINALMENTE!!!!!!!!

Finalmente, e após uma longa luta contra tudo e contra quase todos...especialmente contra um personagem ignóbil, e profundamente corrupto e ligado ao clube assumidamente corrupto....a Luz chegou.
Este "senhor", finalmente foi derrotado..
E este dia, em que o Professor José António Silva foi finalmente apresentado como treinador da equipa de Andebol do Benfica, é um dia em que talvez mais importante que a vitória no campo passa para segundo plano. Neste dia, derrotámos o dito 'polvo' que até ás direcções das Universidades Públicas chega...os tentáculos tocam em todas as instituições.
Ao Professor josé António Silva, o meu (e em nome de todos os Benfiquistas creio) MUITO OBRIGADO por nunca ter desistido, e ter sempre mantido a sua força, e vontade em se poder sentar novamente como técnico do Clube.
Ao Pedro Gama e restante plantel, o meu muito obrigado por terem mantido a equipa e a modalidade de pé, neste últimos meses.
À Direcção do clube, parabéns e também obrigado por nunca terem desistido e terem sempre lutado até ao fim contra a intransigência e imbecilidade de uma só "pessoa", que em nome do ódio e da corrupção fez tudo para que isto não se pudesse concretizar.
A este mesmo personagem, o NOSSO obrigado por ter ajudado a demonstrar que no Benfica há gente competente e com força para lutar contra estes obstáculos. A ele, OBRIGADO por demonstrar tanto interesse no Benfica...isso só mostra a nossa infinita grandeza.
Ao Professor José António Silva, muito boa sorte e bem vindo de volta!
FORÇA BENFICA!!!!!!!

Quebrou-se o encanto

Já passaram quatro dias, mas ainda não me refiz daquilo que aconteceu no domingo. Gostava de ser como um amigo meu que, há uns anos, me dizia: "Detesto a Taça de Portugal. Não interessa para nada. O que conta é o campeonato". Mas não sou. Eu gosto muito de ganhar a Taça e de estar na final do Jamor. A perspectiva de, na melhor das hipóteses, poder desfrutar desse prazer apenas daqui a um ano e meio deixa-me angustiado.

Além desta amarga eliminação, a derrota de domingo significou uma espécie de encanto quebrado. É certo que já tínhamos perdido jogos, mas achava que esta equipa não falharia nos momentos decisivos. E já falhou num, pois uma prova com as características da Taça de Portugal não admite um único deslize. Até tinha sido uma óptima oportunidade para nos mostrar que é capaz de ganhar jogos em que sofre o primeiro golo. Agora, não sei quando voltará a falhar. E nem uma vitória em Alvalade apagará essa incerteza. Não passei do optimismo descabido para um pessimismo injustificado. Apenas se quebrou o encanto. Mas, atenção, continuo a gostar dela. Da equipa, claro. Aliás, sempre gostei, mesmo quando era feia...

PS - Pedro Proença já está no 'derby' de sábado. Aguardamos Benquerença para o 'clássico' de Dezembro...

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Este ano não há nada a fazer....

Este ano não há nada a fazer, os astros não estão do nosso lado no que toca a sorteios. Nem ter a Maya como benfiquista nos serve de alguma coisa!

Começou com a pré-eliminatória da Liga Europa, saiu-nos um grupo bastante equilibrado na fase de grupos da Liga Europa, o Guimarães na Taça de Portugal logo na 2ª eliminatória (não é desculpa para a eliminação prematura) e agora o sorteio dessa competição Menor, conhecida pela Taça da Cerveja, colocou-nos apenas num grupo bastante light: Nacional, Guimarães e Rio Ave. Duas equipas que estão no primeiro terço da classificação e uma que para lá caminha, mas que em comum apresentam-se num grande momento de forma e são um verdadeiro osso duro de roer.

Eu sei, o Benfica é o Benfica e tem obrigação de ganhar em todas as competições e não lamuriar-se do destino. A mim custou-me bastante a eliminação da Taça de Portugal que é uma competição muito mais simbólica do que a Taça da Cerveja. Ao contrário do que muitos comentaram que trocariam a derrota da Taça pela vitória contra os lagartos, eu não sou dessa opinião, primeiro porque o jogo contra o Sporting ainda não se realizou e depois porque nos custou a presença na final de uma competição que nos foge desde 2005 o que é muito triste para um clube que precisa da dinâmica de vitórias (não é com a conquista de Taça de Cerveja o ano passado que se vai lá).

Isto para dizer o quê? Temos um mês de Janeiro bastante complicado em termos de jogos para o campeonato, pelo meio dos jogos para a Taça da Cerveja temos duas deslocações difíceis, respectivamente, Rio Ave e Marítimo , terminando com a recepção ao Guimarães (vai ser um enjoo de jogos contra o Guimarães e Rio Ave). Na minha opinião, e tendo em conta o principal objectivo do Benfica que é ser Campeão Nacional, esta competição da Taça da Cerveja deve ser desvalorizada e deve-se jogar com a "equipa B" como se tivéssemos no grupo do FCP, com Leixões, Estoril e Portimonense. Acho que a prioridade é mais que óbvia e não me ofenderia a mim sermos eliminados dessa competição desde que a estratégia assumida fosse a referida.

Até lá ainda falta muito e o importante agora é a visita aos Viscondes!

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

De Gatas

Foi-se o primeiro objectivo da época. Este ano as expectativas elevaram-se ao ritmo dos golos que íamos trucidando os adversários, legitimamente esperava que fossemos competitivos em todas as provas nacionais e que a nível internacional reavivássemos a ilusão de um Benfica maior. A derrota de ontem foi um golpe, um golpe maior do que a simples derrota pois esta poderá sempre ocorrer, foi o fim de um objectivo de forma prematura e surpreendente. Se pudesse escolher entre uma vitória ontem ou frente aos lagartos claramente optaria pela de ontem, como tal não é possível teremos que dar tudo por tudo no campeonato, o nosso principal objectivo e agora de importância elevada ao expoente máximo.

Mais preocupante que a derrota foi a sua forma. Ao contrário do que JJ afirmou em conferência de imprensa nós não massacrámos. Criámos algumas situações de golo quando o Guimarães quebrou. Até aí foi numa toada lenta a duas velocidades (devagar, devagarinho) que fomos levando o jogo com os resultados que se conhecem. A qualidade esteve lá, as movimentações existiram o que faltou e bastante foram pernas. Todo o jogo ficou marcado pela falta de poder físico o que nesta fase é de reflectir.
Após duas semanas de descanso, quando vamos iniciar um ciclo de grande importância não é aceitável, do ponto de vista da planificação da época, um abaixamento de forma física. Estou esperançado que tal se deveu à expectativa que o adversário que nos calharia em sorte nesta eliminatória seria de qualidade inferior e que permitiria uma rotatividade da equipa (que deveria existir), contudo os sinais foram e são alarmantes. Uma semana é curto para elevar os índices físicos para patamares aceitáveis, espero que seja o suficiente para manter os padrões e para não aumentar a pressão para as jornadas seguintes. Rotatividade da equipa requer-se, para isso é necessário recuperar os lesionados Carlos Martins e César Peixoto de forma a descansar Aimar e Di Maria ambos muito abaixo do esperado (a jogar sem explosão e devagar).

Nota: Isto de jogar com 10 tem que acabar Keirrisson e Nuno Gomes não apresentam condições para serem alternativas em jogos de dificuldade elevada. O primeiro está completamente desajustado e o segundo há muito que não tem condições físicas para ser opção. Há Weldon jogue-se com ele até chegar mais alguém

sábado, 21 de novembro de 2009

Parabéns Oliveirense

Pela coragem de bater o pé aos corruptos do Porto. Algo impensável à algum tempo atrás, mas tudo está a mudar acreditem, tudo está a mudar!

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Tramaram o nosso Trapattoni

Apoiei, como dez milhões de portugueses, a Selecção Nacional, mas, ao mesmo tempo, estava com esperança que a República da Irlanda do nosso Trapattoni conseguisse o apuramento, sobretudo quando soube que ganhava por 1-0, com um golo do eterno Robbie Keane.

Com um dos melhores currículos do mundo, já admirava Trap antes de ingressar no Benfica e, claro, ficou eternizado na minha galeria de eleitos depois daquele título conquistado em 2005. Havia Manuel Fernandes, Geovanni, Petit, Simão e... Azar Karadas (estou a brincar) e o golo memorável de Luisão colocou um ponto final no jejum de onze anos, perante a perplexidade de Ricardo. A equipa nem sempre foi brilhante, mas notou-se o mérito da sagacidade táctica do velho italiano.

Além de torcer por Trapattoni, queria que a França perdesse, para que, de uma vez por todas, a federação gaulesa percebesse que Raymond Domenech é o pior seleccionador de todos os tempos, considerando mesmo as épocas em que Juca foi treinador de Portugal e nunca disputávamos as fases finais. No entanto, o árbitro conseguiu validar o golo francês, depois daquele lance digno de uma partida de andebol protagonizado por Thierry Henry, e Trapattoni irá, portanto, ver o Mundial na TV, enquanto Domenech mantém o emprego.






domingo, 15 de novembro de 2009

Transferência inconveniente

O sensacionalista News of The World garante que Di Maria irá jogar, já em Janeiro, no Manchester City, uma vez que o clube inglês chegou a acordo para pagar os 40 milhões de euros previstos na cláusula de rescisão do futebolista, com contrato válido com o Benfica até 2015.

Caso seja verdade, parece evidente que o Benfica não pode evitar a saída, mas, pelo menos, devia ter salvaguardado, no contrato, a impossibilidade de o jogador sair em Janeiro. Perder um futebolista que é fundamental, a meio da época, não é um facto positivo, sobretudo no melhor momento que ele atravessa desde que chegou à Luz, com correspondência na selecção da Argentina. Isto não significa, no entanto, que o Benfica deixará de concretizar os seus objectivos só porque perde este excelente extremo-esquerdo.

Já se percebia, nas temporadas anteriores, que Di Maria tinha talento acima da média, mas, muitas vezes, era inconsequente, porque cruzava mal ou o remate era pior, após bons lances. Com o tempo e a chegada de Jesus, o seu futebol tornou-se mais eficaz.

Contudo, julgo que Di Maria, ou os seus agentes, poderia rejeitar esta transferência, porque, com estas exibições, e em ano de Mundial, facilmente surgirão outros clubes interessados, até com mais prestígio do que o Manchester City.

Espero, portanto, que o Benfica não mexa no plantel em Janeiro, sobretudo do meio-campo para a frente, por isso até aceito que Fábio Faria, que actua no Rio Ave, possa entrar na equipa.


quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Golo do Benfica na Benfica TV

Vale a pena ver. Isto sim é gritar um golo do Benfica, não é como os meninos do Oliveirinha na Sport Tv

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Robert Enke



É com enorme pesar que faço este post a este grande guarda redes que vestiu a camisola do Benfica. Infelizmente faleceu um dos melhores guarda redes que vi actuar em Portugal, um jogador correcto e dedicado que respeitou o clube até ao fim. Quantas vezes não me lembro dele e da falta que faria, e pensava, mas porque é que não vão buscar o Enke. Foi ele que veio a seguir ao Preud Homme e conseguiu à custa das suas exibições fortalecer o lugar que foi sempre seu até ter saído.

Paz à sua alma

Suspense até ao fim

O Benfica conquistou uma das mais difíceis vitórias da época, pois o golo só surgiu aos 89 minutos, por intermédio de Javier Garcia, um dos melhores jogadores da equipa nesta noite, no final de uma jornada perfeita: igualámos o Braga e ganhámos pontos ao FC Porto e Sporting, que ficaram a cinco e onze pontos, respectivamente.

O espanhol não se limitou a «segurar» o meio-campo, demonstrando vocação ofensiva e até podia ter marcado mais cedo, mas Peiser desviou, de forma notável, a bola. Aliás, o guarda-redes da Naval foi o principal responsável pela derrota não ter sido mais expressiva, com uma série de excelentes defesas, capazes de pôr o mais calmo benfiquista à beira de um ataque de nervos.

Houve, também, dois remates que acabaram por bater no poste, ou seja podia ter acontecido mais uma goleada ou...o empate, porque, logo a seguir ao golo de Garcia, aquele remate acrobático do Simplício silenciou a Luz. Felizmente, não passou de um susto.

Tal como aconteceu na segunda parte do jogo com o Braga, sentiu-se a falta de Cardozo. Obviamente que o Benfica conseguiu (e conseguirá) vencer sem o paraguaio, mas não é a mesma coisa. As alternativas continuam a ser pouco credíveis: Nuno Gomes, que continuo a admirar, esteve discreto e falhou um golo de forma incrível; Weldon disparou por duas vezes ao lado e nem sei se Keirrison conseguiu rematar à baliza.




video

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

RELATIVIZAR O "DESAIRE"

Parece estranho dizer isto mas gostei mais do jogo de ontem do que muitas das goleadas que já tivemos este ano, incluindo a do Everton no estádio da Luz. Passo a explicar.

Os nossos adversários vão-se preocupando com as nossas goleadas e deliram com os "desaires" ocorridos, basta lembrar os poucos, felizmente, que ocorreram. Sim, porque também não somos invencíveis e é importante ter essa noção e crescer enquanto em equipa, tal como o nosso treinador já alertou. Quando empatamos com o Marítimo começaram logo as bocas - "A super equipa da pré-época já emperrou quando é a sério..."; aquando da derrota na Grécia foi logo posta em causa a estaleca do Benfica para os jogos europeus; com o Braga foi o que se viu e ouviu, questionando-se logo como é que seria este Benfica daqui pra frente e que poderia ir abaixo caso perdesse com o Everton.

Nos três jogos que referi, apenas em um o Benfica não esteve à altura dos seus pergaminhos esta época, falo do jogo do AEK, e mesmo assim fez o suficiente para não perder. No Marítimo houve o factor azar e contra o Braga, apesar de não termos feito um jogo totalmente conseguido, e contando com as "incidências especiais" já aqui referidas várias vezes, jogamos à bola em Braga o suficiente para ganhar a maior parte dos confrontos que já lá tivemos ao longo dos anos.

Mas o que os outros dizem não importa, o importante e que já é um facto é que o Benfica relativiza os momentos negativos que tem tido. E porquê? Porque tem identidade, mantém os seus princípios de jogo, apesar da ausência de alguns jogadores fundamentais. Já tinha acontecido em Paços de Ferreira e voltou acontecer no jogo de ontem. Sem Aimar e com algumas caras novas (no caso do Sidnei) e várias mudanças posições, o Benfica apresentou uma exibição personalizada, com garra e segurança, que nem a saída de Ramires veio alterar (nessa altura temi o pior).

DESTAQUES POSITIVOS

Di Maria - Começa a ser estranho a ser sua regularidade exibicional muito acima da média, cada vez mais desequilibrador, pese as suas tradicionais limitações na finalização.

Cardozo - Para além do golo, esteve muito mais interventivo no jogo do que costuma ser.

Ruben Amorim - Grande jogo e muito importante a seguir à saída do Ramires, ajudando e muito a que o Benfica mantivesse a bitola exibicional.

Saviola - Não é preciso palavras...

DESTAQUES NÃO TÃO POSITIVOS

Ramires - Não é por a lesão ter ocorrido que agora digo isto, e o TC sabe-o pois comentamos em quase todos os jogos, apesar da grande disponibilidade física deste jogador, a sua gestão por parte da equipa técnica não tem sido a melhor. Para quem ainda não teve férias e está em permanentes viagens por causa da selecção brasileira, deveria ter tido mais descanso ao longo desta época (há alternativas válidas e suficientes para além do crónico lesionado C. Martins como ontem se viu).

Rodriguinhos e tabelinhas - Isto é picuinhas da minha parte. Eu sei que esta equipa tem como filosofia dar espectáculo mas irrita-me às vezes o exagero nalguns rodriguinhos e tabelinhas quando deveriam ser mais objectivos. Também se ganha jogos rematando directamente ou com cruzamentos à primeira.

O importante agora é dar continuidade ao que foi dito na próxima segunda-feira e consolidar cada vez mais a identidade da equipa. Desta forma, seguramente os eventuais, esperemos que poucos, desaires serão sempre relativizados por este Benfica!

PS - Entretanto do outro lado da 2ª circular o inevitável aconteceu. Apesar de alguns exageros verbais, aprecio o Paulo Bento pelo seu carácter e frontalidade. Desejo-lhe a melhor sorte futura, desde que não se cruze connosco como nosso adversário. Só ainda não percebi se este facto traz vantagens ou não para o próximo derby, vamos aguardar para ver.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

A Prova das Provas - A Intifada deu um campeonato

Sou contra a violência seja ela originária de onde fôr, sou assim, e não é por ser um benfiquista que vou defender se tiver comportamentos que não sejam condizentes com os estatutos do próprio clube. Este é o principio, porque como dizem os mais velhos, não é do Benfica quem quer! É preciso respeitar o bom nome e os antepassados que o fizeram Glorioso.
Posto isto, vou directamente para ao que interessa: Qualquer pessoa que veja as imagens da final do campeonato de juniores no campo de jogos de Alcochete percebe duas coisas, ou existe uma montagem de imagens ou alguém se encarregou de carregar pedras para as bancadas para digamos assim, duma forma HOSPITALeira receber os rivais, podemos colocar a hipótese das pedras já serem as mesmas que foram enviadas pelos benfiquistas mas só no caso dos lagartos terem poderes sobrenaturais, quais homens elástico que as apanhavam do ar e as devolviam à procedência. Claro que esta última solução só na cabeça dum comentador sofredor de diarreia mental crónica e que vomite veneno às terças feiras no canal estatal.
Nesta amálgama de decisões e reacções que se geraram, então não é que no mesmo dia em que existe um àcordão do Conselho de Justiça, existe uma chuva de pedras em Alvalade contra a Policia. Mas desta vez, não estavam lá as claques do Benfica, ou estavam? o Tal comentador avençado diz que chegou a Alvalade e alguém gritou Hezbollah, e ele achou estranho, eu também acharia. Será que o arremesso das pedras não é um hábito antigo e que lhe tomaram o gosto? É evidente que existe aqui uma aittude repetitiva dos factos, não vê quem não quer! Compreendo que o Sporting tem sido sujeito a derrotas copiosas e que os adeptos estejam irritados, mas não deve ser por isso que devem começar mais uma chuva de pedras, e também não vale a pena falarem em grupos extremistas islâmicos porque muitos dos sportinguistas não se revêm no vosso modus operandi que vai valer um titulo. Será que a direcção do Benfica não pode vislumbrar uma oportunidade e através de imagens verificar que os infractores são os mesmos
que lançaram as pedras no jogo dos Juniores?
Uma Intifada pode valer um campeonato? é a pergunta que fica.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Era Só Uma Questão De Tempo

Tal como eu previ no inicio da época era só uma questão de tempo. No jogo em que se discutia a liderança nomeia-se o mais habilidoso dos árbitros portugueses que não por coincidência o mais bem cotado e classificado das últimas épocas com o quanto de "bom" que isso significa no nosso futebol (leiam as escutas). Outro pormenor insignificante integra a associação do Porto.

Incidências condicionantes do jogo:

- A meio da primeira parte já tinha premiado meia-defesa do Benfica com cartões no seu estilo de isenção hábil. Comparem o amarelo à abrir o jogo ao Fábio Coentrão com o perdoado a João Pereira (que seria o segundo) na segunda parte e o exibido a Saviola que não foi o único a simular uma g.p., o mesmo se passou na área do Benfica mas sem a devida admoestação ao avançado do Braga.
- Má decisão na anulação do golo a Luisão que a Porto TV na enésima repetição tenta justificar naquilo que se poderia apontar como visão raio x do Super Jorge Sousa a descortinar uma infracção de Cardozo.
- As inúmeras faltas por marcar sobre o nosso ataque a lembrar a sua melhor prestação de sempre a nível de habilidades numa famosa meia-final da Taça contra o Satélite do Porto em Lisboa.
- Uma grande penalidade por assinalar por mão na área de um defesa contrário.

Eu fui a Braga e pelo que leio vi o mesmo jogo do Tnlemos diferente do TC. E a matemática confirma a minha opinião. Vejamos 58% de posse de bola, 58 ataques contra 27, 15 remates contra 11 e a meio da segunda parte julgo que o Braga ainda não tinha ganho qq canto e nós já levávamos 13. Com 91,128 quilómetros percorridos o Benfica fez mais 1808 metros do que o seu adversário (89,320 km). Ramires foi o único jogador a superar a barreira dos 10 km (10 337 metros). E só quatro jogadores superaram a barreira das dez acelerações, com destaque para o Maxi Pereira (20), bem à frente de Ramires (13), Pablo Aimar (13) e Fábio Coentrão (12), enquanto do lado do Braga só Hugo Viana chegou às dez. Tudo isto somado às condicionantes impostas pela tripla de habilidosos tornava a missão impossível. Dominámos tivémos atitude apenas lamento o desacerto nos cantos e cruzamentos e alguma precipitação nos passes. O Braga é uma boa equipa mas contou sempre com mais 3 elementos. Num jogo a sério era grande a probabilidade de termos ganho. Apenas um reparo ao treinador não insista no Fábio Coentrão a defesa esquerdo. A falta que nos fez com 12º jogador.

Estão para chegar os jogos com os rivais e advinham-se as nomeações e o tipo de arbitragens, ao estilo de Pedro Henriques "deixar jogar", leia-se deixar bater de forma a penalizar os melhores e a beneficiar os Brutos Alves do nosso futebol.
Espero que a Direcção esteja atenta e arrepie caminho quanto à sua decisão de não comentar o trabalho de quem dirige os jogos. E não entregue Jesus como fez com Quique.

p.s. a repetição da palavra habilidoso e suas derivadas é propositada. Estou convencido que quando a inventaram foi a pensar em figuras com a do Jorge Sousa.

domingo, 1 de novembro de 2009

ESMIUÇAR A ARBITRAGEM

Tendo estado ontem em Braga, ainda não vi as imagens televisivas. Ainda assim, pelo que fui lendo e ouvindo por aqui, parece que os tentáculos do polvo estão a começar a apertar. Já começou na semana passada, com o golo irregular do Nacional e o golo anulado, mas como as coisas estavam a sair bem, acabou por não se dar conta.

Esta semana, não só o adversário era melhor como também as coisas não estavam a sair bem. Não obstante isso, dá-me ideia de que sem as ajudas da arbitragem, a derrota provavelmente teria sido evitada.

O que me chateia nisto é que ás tantas começa-se a pensar até que ponto é que vale a pena ter uma boa equipa e jogar futebol para depois esto continuar a acontecer, ano após ano. Quase que lançava aqui um apelo ao Ricardo Araújo Pereira para ter um programa 'Gato Fedorento esmiúca a arbitragem'...

Quanto a uma outra questão que se colocou aqui, se há jogador que eu acho bem que não esteja no Benfica (e já achava isso quando ele por lá andava), porque apesar de lá ter sido formado não me parece que reúna condições para representar o nosso clube (e nem estou a falar de jogar à bola), é o João Pereira.

Pequenas diferenças

Num jogo equilibrado, são nas pequenas coisas, nos pequenos pormenores que estes jogos se decidem. Ontem existiram dois:

- Guarda-Redes: Nada me move contra o Quim, apenas acho já há algum tempo que não deveria ser o titular do SLB. Em tempos confiei muito no Moreira, mas de facto, e julgo não estar muito longe da razão, o próprio Benfica não ajudou a que Moreira voltasse a adquirir a confiança que já teve, para aliar à sua qualidade, quanto a mim superior à de Quim. Nem quero entrar no capitulo se Quim teve culpas nos golos (menciono apenas que na minha opinião teve, sobretudo no primeiro), mas sim que não foi decisivo, assim como o foi Eduardo na baliza do Braga. E esta incapacidade de fazer a diferença já vem de trás...

- Arbitragem: Sem duvida aquela que pesou mais. O golo do Luisão, o penalti não assinalado (mão do jogador do Braga), a expulsão perdoada ao João Pereira são lances capitais do jogo (houve outros), uma vez que o resultado estava em 0-1... A própria expulsão do Cardozo é quanto a mim encomendada, uma vez que a unica coisa que se vê é o Cardozo a ser agredido no meio da multidão, e por 2 ou 3 jogadores. Como não dou o beneficio da duvida a esta gentalha corrupta sobre se poderá ter passado algo mais no túnel, não duvido que foi mais uma encomenda.

O aviso já várias vezes tinha sido dado (Cervan já o tinha mencionado na crónica de sábado na Bola)... Sempre que pudessem estes senhores mostraram várias vezes que estariam à espreita.

Conclusão: Gostei globalmente da equipa. O Braga não é fácil, mas quanto a mim jogámos bem, fomos superiores, tivemos mais oportunidades, embora não tenhamos massacrado como noutros jogos, e logo mais vulneráveis ficámos aos corruptos que vestem de preto. Continuo com uma fé enorme nesta equipa, pois nunca a considerei invencível e sabia que estes jogos menos felizes poderiam surgir... Continuem com esta atitude que o nosso futuro será risonho!

Por fim, espero que o Benfica não cometa o mesmo erro do ano passado e deixar estes jogos passarem impunes. Que não queiram falar agora, até poderei compreender (embora discorde), em nome da coerência face à atitude que a Direcção decidiu tomar sobre a arbitragem. Mas, não deixem é voltarmos a ter um conjunto de arbitragens semelhantes às do ano passado, é só acordarem quando é tarde. No entanto, as agressões feitas ao Cardozo no intervalo, bem como do Alan ao Ramires no final do jogo, pelo menos essas tem de ser punidas, e estando televisionadas o sumarissimo impõe-se...! Mas como sabemos, só se o Benfica o solicitar... E impõe-se que o Benfica exija a punição destes "maus profissionais", como diz o outro.

sábado, 31 de outubro de 2009

A falta que Cardozo faz

A expulsão de Cardozo foi um dos aspectos mais marcantes do jogo com o Sp. Braga, não só porque foi inusitada, mas também porque o Benfica perdeu uma das principais referências no ataque. É difícil, senão impossível, perceber o que se passou, mas, naquela confusão de jogadores, e a julgar pelas imagens, a decisão é estranha.

Presumo que a punição resulte de algo que se passou no interior do túnel, porque, caso contrário e utilizando como critério o facto de os futebolistas estarem a trocar empurrões, Jorge Sousa teria de expulsar metade dos jogadores, ténicos e dirigentes de cada equipa.

No entanto, o Braga ficou, também, reduzido a dez jogadores e, mais importante do que a legalidade da expulsão, é o peso que a ausência de Cardozo provocou: Keirrison não foi um substituto com o mesmo nível, continua sem mostrar as qualidades que o transformaram numa das grandes esperanças do futebol brasileiro e, no banco de suplentes, as alternativas não têm o mesmo potencial goleador, o que pode dificultar o destino do Benfica no futuro.

Além de algumas boas defesas de Eduardo, Jorge Jesus também deu uma «mãozinha» à falta de eficácia do ataque nos últimos dez minutos, ao retirar, em simultâneo, Saviola e Aimar. Ou seja, o treinador considerou que seria boa ideia o Benfica terminar o encontro «apenas» sem os três jogadores que têm sido fundamentais no sucesso da equipa. Concordaria se tivesse optado pela saída de um deles....

O que se passa com Ramires?

O brasileiro já demonstrou que é um excelente jogador: rápido, lutador e com boa capacidade de finalização. Apesar de ter criado dois lances perigosos, julgo que está muito longe do que pode fazer e, neste momento, não me parece que mereça a titularidade.






Aos ombros de Jorge Sousa

Mais uma vez Jorge Sousa efectuou uma grande exibição frente ao Benfica, golo anulado, segundo amarelo perdoado a João Pereira e penalti perdoado por mão na bola de Evaldo, contudo estes lances não servem por si só, mas ajudam, para escamotear aquela que foi uma noite desinspirada da nossa equipa. Entrámos mal no jogo, lentos e surpreendidos pela crença dos nossos adversários (inclusive do Sr. Sousa). Aimar não existiu, Saviola apenas na primeira parte, Di Maria na segunda, Javi sem fulgor, mas sobretudo um gritante problema nas alas. Fábio Coentrão acusou falta de rotina e Maxi esteve simplesmente horrível (o que se passa com Maxi?). Jorge Jesus também esteve mal nas substituições, principalmente com a entrada de Keirrisson. Não estando em causa a ideia nem o valor do jogador, Keirrisson está completamente inadaptado ao nosso futebol, precisa de tempo e deverá tê-lo nos jogos mais fáceis quando tudo estiver resolvido ou já encaminhado, não num jogo desta natureza e quando precisávamos de empatar. Julgo também que Saviola (extremamente cansado) deveria ter saído mais cedo e sobretudo Aimar (deveria ter ficado nas cabines ao intervalo).
Em suma, uma má noite que não apaga o que fizemos até aqui muito menos diminui as nossas possibilidades de sucesso. Será um teste à nossa capacidade e personalidade e quando menciono estas caracteristicas não me refiro apenas aos jogadores e equipa técnica, Todos à Luz no jogo com a Naval.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Que tipo de pessoa preferem?

A propósito do que se passou no último jogo na Luz e dos muitos comentários que suscitaram as atitudes de alguns intervenientes, deixo uma pergunta aos benfiquistas: que tipo de pessoa preferem, alguém simpático, educado, com boa imagem e uma mensagem muito correcta e agradável de ouvir, mas incapaz de pôr uma equipa de futebol a jogar como deve ser, ou, pelo contrário, alguém rude, que masca pastilha de boca aberta, é desbocado, pontapeia a gramática, faz gestos inconvenientes, mas coloca a vossa equipa a jogar de uma forma que nunca viram?

Eu deixo já a minha resposta: se fosse para casar, optaria certamente pela primeira hipótese; para treinador do Benfica, não esquecendo que a imagem dos representantes do nosso clube é importante, não hesito em escolher a segunda.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

A incapacidade de ser feliz

No final do desafio de segunda-feira, o João Tomaz confessava, eufórico com os 6-1: "Estava com medo deste jogo". E logo acrescentou "Tenho medo de quase todos. Antes do jogo de Paços de Ferreira, dormi mal três noites". Mal idêntico me apoquenta: desde terça-feira que vivo no receio do que possa acontecer em Braga. Os traumas da última década e meia são muitos. De tal forma, que pensamos estar a viver um conto de fadas, sempre com receio de que o final não seja o tradicional "e viveram felizes para sempre". Afinal, o pior que pode acontecer é sermos derrotados. Ainda que isso suceda, continuamos a ser candidatos ao título e a ter capacidade para ganhar qualquer jogo.

Comecei a ir à bola na ressaca do glorioso Benfica dos anos 60 e daquele que foi campeão nacional sem derrotas em 72/73 (apenas dois empates). Eusébio aproximava-se do final da carreira e o público era muito exigente. Eu não compreendia porquê... Mal sabia o que me esperava décadas mais tarde. Hoje, temos o Benfica mais forte de que tenho memória (início de época semelhante só no Benfica 89/90 de Eriksson), que a todos delicia. Aproveito todo e qualquer minuto no Estádio da Luz. Até fui ao Restelo década e meia depois da minha anterior ida, mas no dia seguinte a cada jogo já vivo receoso de que possa ter sido o último episódio de uma saga feliz. A equipa só me dá razões para estar confiante, mas não consigo deixar de ter, para todos os que me desafiam com um "o teu Benfica está imparável", um discurso prudente. Pareço Mário Palma, nosso antigo treinador de basquetebol: em dia de festejo por mais um título nacional, já estava, preocupado, a pensar na época seguinte. Quando conseguirei libertar-me destas amarras?

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Jorge Jesus "mentiu"

As jornadas vão passando e cada vez mais me convenço que Jorge Jesus "mentiu" no início de época ao dizer que com ele os jogadores do Benfica iam jogar o dobro...........

PS - Desde o Léo dos bons velhos tempos que não via uma exibição de um defesa esquerdo tão boa, com garra, seguro a defender e influente no ataque. A exibição do Coentrão levanta um dilema a Jesus, até porque o elo mais fraco desta equipa é aquele lado esquerdo. Vai uma aposta que quando jogarmos contra o Porto que o César Peixoto ou o Shaffer vão apanhar com o Hulk pela frente.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

200 000 Sócios


O João Tomaz já o fez mas quero de novo enaltecer esse fabuloso nº 200 000. 200 000 sócios. Foi sempre esse o segredo por traz do milagre da gestão do Benfica. Luis Filipe Vieira foi o primeiro a perceber que o valor do clube é proporcional à sua massa adepta. Não bastava acreditar na teoria dos 6 milhões de adeptos era necessário prová-la junto do país e principalmente junto dos parceiros económicos. Tomou a arriscada opção pela construção de um verdadeiro complexo desportivo (estádio, dois pavilhões, piscina e um relvado sintético) porque em simultâneo apostou forte nas actividades amadoras de modo a poderem funcionar como a melhor das publicidades na captação de milhares de praticantes, essencialmente crianças e jovens que rentabilizam as infra-estruturas e alimentam a massa adepta. Eis o resultado. 200.000 SÓCIOS.
Sonhou primeiro que todos, acreditou primeiro que todos e conseguiu. Obrigado Presidente.

RENOVA JESUS


Esta afirmação que faço foi devidamente pensada e reflectida, e faço-a porque sei que a Europa vai estar atenta à nossa equipa e a quem operou esta mudança tão grande no clube depois de tantos descalabros. Faço-a porque considero que Jorge Jesus é o responsável por este arranque de época com a supervisão de Rui Costa.
Com a sorte que temos tido os tubarões estarão preparados para avançar com propostas loucas para o levar e com Jorge Mendes como empresário o perigo é maior.
Com a renovação das principais figuras do plantel e com o homem certo no lugar certo acho que Jesus deverá renovar o contrato com o Benfica, mas também acho que não deverá ter cláusula de rescisão, quero que o clube regresse ao seu lugar, o primeiro, mas durante muitos e muitos anos.


Saudaçoes Benfiquistas

Dates...

Há dois dias o Estádio fez seis anos...Ontem o Benfica deu 6 ao Nacional! Hoje é um dia histórico para o Benfica: o dia em que Manuel Vilarinho ganhou as eleições, e afastou para sempre do nosso clube quiçá, o homem que nos fez mail mal ao longo da nossa história. No dia 27 de Outubro de 2000, o Benfica foi reanimado e a partir daí, aos poucos renascido até ao que vemos hoje.

Mas ainda há muito para fazer, crescer a ganhar!!

domingo, 25 de outubro de 2009

In Silence..

Hoje, uma vez mais o desporto português ficou marcado por um trágico acontecimento. Kevin Widemond, base norte Americano da Ovarense, faleceu na sequência de uma paragem cardíaca sofrida no intervalo do jogo frente à Académica, referente ao 3º e 4ºs lugares do Troféu António Pratas. O jogo foi de imedaito suspenso, assim como o encontro da final do Troféu onde iria jogar o Benfica contra o Vitória de Guimarães.

Como me disse (ainda antes de saber da morte oficial do jogador), o Presidente da Secção do Basket do Benfica, José Tomaz, naquela altura "ninguém estava preocupado com o Basquetebol, mas sim com ainda a esperança de que tudo não tivesse passado de um susto".

Infelizmente, o jogador de 24 anos terá chegado já sem vida ao Hospital. Numa altura em que o silêncio se impõe, só deixo uma questão..

Porque razão, não estava uma equipa médica presente no pavilhão...para a Final Four do mais importante Troféu de Pré-época da modalidade em Portugal? Os fisioterapeutas e responsáveis médicos das equipas fizeram tudo o que estava ao alcance para o reanimar, tendo chegado cerca de 10 a 15 minutos depois a ambulância e respectivos socorristas. Uma vez volta a questão da falta de meios, e sobretudo da falta de meios técnicos (desfribilhador p.ex) num evento desta dimensão.

Infelizmente, só nestas alturas tristes é que se fala destas questões...

Da minha parte, do clube e de todo o Basket ficam os votos de pesar e sentidos pêsames ao clube, atletas e acima de tudo à família de Kevin Widemond.