sábado, 31 de outubro de 2009

A falta que Cardozo faz

A expulsão de Cardozo foi um dos aspectos mais marcantes do jogo com o Sp. Braga, não só porque foi inusitada, mas também porque o Benfica perdeu uma das principais referências no ataque. É difícil, senão impossível, perceber o que se passou, mas, naquela confusão de jogadores, e a julgar pelas imagens, a decisão é estranha.

Presumo que a punição resulte de algo que se passou no interior do túnel, porque, caso contrário e utilizando como critério o facto de os futebolistas estarem a trocar empurrões, Jorge Sousa teria de expulsar metade dos jogadores, ténicos e dirigentes de cada equipa.

No entanto, o Braga ficou, também, reduzido a dez jogadores e, mais importante do que a legalidade da expulsão, é o peso que a ausência de Cardozo provocou: Keirrison não foi um substituto com o mesmo nível, continua sem mostrar as qualidades que o transformaram numa das grandes esperanças do futebol brasileiro e, no banco de suplentes, as alternativas não têm o mesmo potencial goleador, o que pode dificultar o destino do Benfica no futuro.

Além de algumas boas defesas de Eduardo, Jorge Jesus também deu uma «mãozinha» à falta de eficácia do ataque nos últimos dez minutos, ao retirar, em simultâneo, Saviola e Aimar. Ou seja, o treinador considerou que seria boa ideia o Benfica terminar o encontro «apenas» sem os três jogadores que têm sido fundamentais no sucesso da equipa. Concordaria se tivesse optado pela saída de um deles....

O que se passa com Ramires?

O brasileiro já demonstrou que é um excelente jogador: rápido, lutador e com boa capacidade de finalização. Apesar de ter criado dois lances perigosos, julgo que está muito longe do que pode fazer e, neste momento, não me parece que mereça a titularidade.






Aos ombros de Jorge Sousa

Mais uma vez Jorge Sousa efectuou uma grande exibição frente ao Benfica, golo anulado, segundo amarelo perdoado a João Pereira e penalti perdoado por mão na bola de Evaldo, contudo estes lances não servem por si só, mas ajudam, para escamotear aquela que foi uma noite desinspirada da nossa equipa. Entrámos mal no jogo, lentos e surpreendidos pela crença dos nossos adversários (inclusive do Sr. Sousa). Aimar não existiu, Saviola apenas na primeira parte, Di Maria na segunda, Javi sem fulgor, mas sobretudo um gritante problema nas alas. Fábio Coentrão acusou falta de rotina e Maxi esteve simplesmente horrível (o que se passa com Maxi?). Jorge Jesus também esteve mal nas substituições, principalmente com a entrada de Keirrisson. Não estando em causa a ideia nem o valor do jogador, Keirrisson está completamente inadaptado ao nosso futebol, precisa de tempo e deverá tê-lo nos jogos mais fáceis quando tudo estiver resolvido ou já encaminhado, não num jogo desta natureza e quando precisávamos de empatar. Julgo também que Saviola (extremamente cansado) deveria ter saído mais cedo e sobretudo Aimar (deveria ter ficado nas cabines ao intervalo).
Em suma, uma má noite que não apaga o que fizemos até aqui muito menos diminui as nossas possibilidades de sucesso. Será um teste à nossa capacidade e personalidade e quando menciono estas caracteristicas não me refiro apenas aos jogadores e equipa técnica, Todos à Luz no jogo com a Naval.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Que tipo de pessoa preferem?

A propósito do que se passou no último jogo na Luz e dos muitos comentários que suscitaram as atitudes de alguns intervenientes, deixo uma pergunta aos benfiquistas: que tipo de pessoa preferem, alguém simpático, educado, com boa imagem e uma mensagem muito correcta e agradável de ouvir, mas incapaz de pôr uma equipa de futebol a jogar como deve ser, ou, pelo contrário, alguém rude, que masca pastilha de boca aberta, é desbocado, pontapeia a gramática, faz gestos inconvenientes, mas coloca a vossa equipa a jogar de uma forma que nunca viram?

Eu deixo já a minha resposta: se fosse para casar, optaria certamente pela primeira hipótese; para treinador do Benfica, não esquecendo que a imagem dos representantes do nosso clube é importante, não hesito em escolher a segunda.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

A incapacidade de ser feliz

No final do desafio de segunda-feira, o João Tomaz confessava, eufórico com os 6-1: "Estava com medo deste jogo". E logo acrescentou "Tenho medo de quase todos. Antes do jogo de Paços de Ferreira, dormi mal três noites". Mal idêntico me apoquenta: desde terça-feira que vivo no receio do que possa acontecer em Braga. Os traumas da última década e meia são muitos. De tal forma, que pensamos estar a viver um conto de fadas, sempre com receio de que o final não seja o tradicional "e viveram felizes para sempre". Afinal, o pior que pode acontecer é sermos derrotados. Ainda que isso suceda, continuamos a ser candidatos ao título e a ter capacidade para ganhar qualquer jogo.

Comecei a ir à bola na ressaca do glorioso Benfica dos anos 60 e daquele que foi campeão nacional sem derrotas em 72/73 (apenas dois empates). Eusébio aproximava-se do final da carreira e o público era muito exigente. Eu não compreendia porquê... Mal sabia o que me esperava décadas mais tarde. Hoje, temos o Benfica mais forte de que tenho memória (início de época semelhante só no Benfica 89/90 de Eriksson), que a todos delicia. Aproveito todo e qualquer minuto no Estádio da Luz. Até fui ao Restelo década e meia depois da minha anterior ida, mas no dia seguinte a cada jogo já vivo receoso de que possa ter sido o último episódio de uma saga feliz. A equipa só me dá razões para estar confiante, mas não consigo deixar de ter, para todos os que me desafiam com um "o teu Benfica está imparável", um discurso prudente. Pareço Mário Palma, nosso antigo treinador de basquetebol: em dia de festejo por mais um título nacional, já estava, preocupado, a pensar na época seguinte. Quando conseguirei libertar-me destas amarras?

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Jorge Jesus "mentiu"

As jornadas vão passando e cada vez mais me convenço que Jorge Jesus "mentiu" no início de época ao dizer que com ele os jogadores do Benfica iam jogar o dobro...........

PS - Desde o Léo dos bons velhos tempos que não via uma exibição de um defesa esquerdo tão boa, com garra, seguro a defender e influente no ataque. A exibição do Coentrão levanta um dilema a Jesus, até porque o elo mais fraco desta equipa é aquele lado esquerdo. Vai uma aposta que quando jogarmos contra o Porto que o César Peixoto ou o Shaffer vão apanhar com o Hulk pela frente.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

200 000 Sócios


O João Tomaz já o fez mas quero de novo enaltecer esse fabuloso nº 200 000. 200 000 sócios. Foi sempre esse o segredo por traz do milagre da gestão do Benfica. Luis Filipe Vieira foi o primeiro a perceber que o valor do clube é proporcional à sua massa adepta. Não bastava acreditar na teoria dos 6 milhões de adeptos era necessário prová-la junto do país e principalmente junto dos parceiros económicos. Tomou a arriscada opção pela construção de um verdadeiro complexo desportivo (estádio, dois pavilhões, piscina e um relvado sintético) porque em simultâneo apostou forte nas actividades amadoras de modo a poderem funcionar como a melhor das publicidades na captação de milhares de praticantes, essencialmente crianças e jovens que rentabilizam as infra-estruturas e alimentam a massa adepta. Eis o resultado. 200.000 SÓCIOS.
Sonhou primeiro que todos, acreditou primeiro que todos e conseguiu. Obrigado Presidente.

RENOVA JESUS


Esta afirmação que faço foi devidamente pensada e reflectida, e faço-a porque sei que a Europa vai estar atenta à nossa equipa e a quem operou esta mudança tão grande no clube depois de tantos descalabros. Faço-a porque considero que Jorge Jesus é o responsável por este arranque de época com a supervisão de Rui Costa.
Com a sorte que temos tido os tubarões estarão preparados para avançar com propostas loucas para o levar e com Jorge Mendes como empresário o perigo é maior.
Com a renovação das principais figuras do plantel e com o homem certo no lugar certo acho que Jesus deverá renovar o contrato com o Benfica, mas também acho que não deverá ter cláusula de rescisão, quero que o clube regresse ao seu lugar, o primeiro, mas durante muitos e muitos anos.


Saudaçoes Benfiquistas

Dates...

Há dois dias o Estádio fez seis anos...Ontem o Benfica deu 6 ao Nacional! Hoje é um dia histórico para o Benfica: o dia em que Manuel Vilarinho ganhou as eleições, e afastou para sempre do nosso clube quiçá, o homem que nos fez mail mal ao longo da nossa história. No dia 27 de Outubro de 2000, o Benfica foi reanimado e a partir daí, aos poucos renascido até ao que vemos hoje.

Mas ainda há muito para fazer, crescer a ganhar!!

domingo, 25 de outubro de 2009

In Silence..

Hoje, uma vez mais o desporto português ficou marcado por um trágico acontecimento. Kevin Widemond, base norte Americano da Ovarense, faleceu na sequência de uma paragem cardíaca sofrida no intervalo do jogo frente à Académica, referente ao 3º e 4ºs lugares do Troféu António Pratas. O jogo foi de imedaito suspenso, assim como o encontro da final do Troféu onde iria jogar o Benfica contra o Vitória de Guimarães.

Como me disse (ainda antes de saber da morte oficial do jogador), o Presidente da Secção do Basket do Benfica, José Tomaz, naquela altura "ninguém estava preocupado com o Basquetebol, mas sim com ainda a esperança de que tudo não tivesse passado de um susto".

Infelizmente, o jogador de 24 anos terá chegado já sem vida ao Hospital. Numa altura em que o silêncio se impõe, só deixo uma questão..

Porque razão, não estava uma equipa médica presente no pavilhão...para a Final Four do mais importante Troféu de Pré-época da modalidade em Portugal? Os fisioterapeutas e responsáveis médicos das equipas fizeram tudo o que estava ao alcance para o reanimar, tendo chegado cerca de 10 a 15 minutos depois a ambulância e respectivos socorristas. Uma vez volta a questão da falta de meios, e sobretudo da falta de meios técnicos (desfribilhador p.ex) num evento desta dimensão.

Infelizmente, só nestas alturas tristes é que se fala destas questões...

Da minha parte, do clube e de todo o Basket ficam os votos de pesar e sentidos pêsames ao clube, atletas e acima de tudo à família de Kevin Widemond.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Há que dizê-lo, com toda a frontalidade...

Neste meu retorno ao blog após um interregno, tenho de ser homenzinho suficiente para dizer: era contra a vinda do Jorge Jesus!

Não dava nada por ele, não pela sua incapacidade táctica, porque sinceramente vejo o Benfica, futebol europeu na net e pouco mais, e logo não teria grande opinião, mas pelo seu discurso em Belém e em Braga, que sou sincero, não gostava e considerava que seria um autentico suicídio aplica-lo no SLB. Mas para além de ele me ter demonstrado que tacticamente é mesmo um treinador acima da média, é em termos de discurso que me tem surpreendido... Tem optado por uma filosofia de exigência, humildade e de relativo distanciamento face à euforia que se vive na nossa massa adepta (eu posso confessar que estou nas nuvens, o que não é normal...), mas mais importante que o discurso para fora, parece conseguir transmiti-lo para o balneário, que é o que interessa. Questionado sobre se sentia orgulho em aplicar uma goleada a uma formação inglesa, JJ respondeu ontem: "Sentirei orgulho se ganhar títulos no final da época. Temos objectivos para atingir e só se os conseguir é que sentirei orgulho". Ao mesmo tempo, demonstra capacidade de ajustar o seu discurso em defesa do seu trabalho e jogadores, nomeadamente quando se colocou nas primeiras goleadas em causa o valor dos nossos adversários. Relembrando: “O Benfica está bem! Se temo que o balão se vá esvaziando com o tempo? Isto não é um balão, não é virtual. O Benfica está a jogar e a ganhar, isso é uma coisa concreta.”

Se este era o discurso dele noutros clubes, entendia-o mal, ou simplesmente estava desenquadrado do encadeamento de declarações do JJ. Acho que no SLB, tem estado muito bem, quando tem de aplaudir ou quando tem de chamar à atenção... Portanto, faço aqui já o meu mea culpa, e porque sou um homem de convicções, acho que posso desde já reconhecer o meu erro... Aconteça o que acontecer até final, tenha a equipa uma quebra ou não, a qualidade do nosso jogo, a filosofia atacante (42 golos em 13 jogos oficiais!!!!!), a união e entrosamento da nossa equipa, tanta coisa que de positivo podia aqui referir, mas que não posso pois este texto já longo ficava enorme, posso considerar-me fã do JJ! Tomara a muitos treinadores do SLB dos últimos anos seleccionarem 13 jogos desta qualidade de todos os que dirigiram...

Estava a pensar falar um pouco no Benfica Europeu, que ontem parece ter voltado, mas acho que vou arriscar, e falarei apenas na próxima grande vitória europeia (estou com uma confiança como a do Pedro Ribeiro no À Lei da Bola de há 3 semanas atrás “Este ano, estamos noutro patamar!”... Se não viram, vejam!!!).

Queria só falar numa questão que muitos ainda duvidam, e que eu também me questionei, mas que começo a ficar um pouco mais descansado e confiante... De facto, o SLB ao início pressionava muito alto, a 100 km/h, e de facto também duvidei se aguentaríamos a época toda.

A leitura que tenho feito dos últimos jogos, é que já não corremos tanto, mas mantemos a capacidade de anular o jogo ofensivo adversário e manter o caudal ofensivo, porque o posicionamento em campo está a melhorar muito, e porque valorizamos cada vez melhor a posse de bola, o que provoca um desgaste muito menor nos nossos jogadores... É a ideia que tenho, não sei se concordam.

Um grande bem haja também ao Rui Costa, pelas enormes mais valias com que nos conseguiu premiar outra vez este ano. Já no ano passado, chegaram excelentes jogadores... Este ano, foi quase tudo na mouche...!


Abraço a todos, e que o Nacional não traga o autocarro e tente jogar à bola!!!!

Jogos sem emoção

Pois é ver um jogo do Benfica começa a ser algo monótono, o que é feito da emoção, daquele nervoso miudinho quando o jogo se aproxima do fim. Isto é um jogo não é um espectáculo de teatro ou de cinema, onde mora o imprevisto e a incerteza? Querem ver que uma pessoa que tem que afrontar a rotina do dia-a-dia e ainda chegar ao Estádio da Luz de quinze em quinze dias e estes artistas marcarem assim golos à toa, de rajada. Uma pessoa senta-se começa o jogo e tal e está a ver e vai falando com os colegas de bancada e é golo, e uma e outra e outra vez, e ver um gajo de quase dois metros aos saltos à minha frente o jogo todo? Fico com uma impressão na vista que é desagradavel, isso e o Jesus que não pára quieto no banco para trás e prá frente para trás e prá frente, faz lembrar as situações em que vamos de autocarro e olhamos concentradamente para o lado e acabamos agoniados. Quem ficou assim também foram os ingleses, coitados dos rapazes, os toffee que rima com coffee, mas eles preferem cerveja e beberam tanto mas tanto que entraram no Estádio com umas vozes afinadinhas, mas claro os jogadores do Benfica não paravam quietos parecem putos de 3 anos, e os rapazes com as canecas que tinham despejado sentiram-se mal dispostos e após o recomeço começaram a ir-se embora tal era a correria e os golos. E de tão zonzos que estavam da algazarra resolveram ir mais cedo não fosse o piloto arrancar e eles não chegarem a horas por estarem desidratados e confusos. Agora digam-me lá se acham que isto é a maneira mais hospitaleira de receber os estrangeiros? E o Jesus não assume as responsabilidades? E o Rui Costa?
Eles são jogadores de futebol, isto não é uma corrida de cavalos?
Mesmo perto de mim ouve um senhor que foi à casa-de-banho mais tarde porque esteve na fila para comprar uma sandes e um sumo de cevada amarelo sem álcool e quando volta já tinham marcado mais 3 golos? Quer dizer já nem se pode ir à casa de banho descansado, e pumba três batatas assim como quem não quer nada?
E os jornalistas esses desgraçados já com os textos prontos de outras jornadas menos gloriosas e o Benfica ganha 5-0 mas para quê? Lá tiveram que estar os homens a reescrever as noticias e as parangonas do dia seguinte.
Chega-se a casa e o resumo são golos do Benfica, e os lances que falhámos já não há tempo, que bela perspectiva do jogo, sim senhor.
Dia seguinte, chego ao trabalho e percebo que os colegas sportinguistas sabem falar de outros assuntos, e isso é bom , demonstra que sabem falar de muita coisa que não seja futebol, e realmente não se vai falar do jogo do Glorioso que ganhou sem constestação nenhuma, é só razão só razão e a emoção pergunto eu?

O Paulo Bento é que tem razão quando quer espectáculos bons vai ao cinema.

Ninguém o convida para ir à luz....

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Afinal temos estofo, Zé

Tenho 25 anos de sócio, com muitas alegrias e tristezas, e não me lembro de ver um Benfica tão demolidor, em qualquer competição, em casa ou fora, frente ao melhor ou ao pior adversário.

Aquele início da segunda parte foi, realmente, extraordinário, depois de um primeiro tempo em que o jogo estava completamente controlado pelo Benfica, desde o início, e com Saviola a marcar o primeiro golo. Seguiram-se, depois, três golos (!) num espaço de seis minutos e, no final, como se fossem poucos, surgiu aquele que terá sido o melhor lance da contenda, concretizado por El Conejo. A continuar assim, quase que não é necessário jogar com guarda-redes...


Cardozo e Saviola estiveram em grande plano, pelos remates que concretizaram, mas Di Maria , soberbo nas assistências, merece, também, os aplausos de seis milhões de benfiquistas. Com este resultado, a equipa conseguiu o resultado mais expressivo frente a equipas inglesas. O recorde era um 3-1 diante do Tottenham, na época de 61/62.

Caso ainda haja dúvidas, caro Zé Amaral - comentador do meu «post anterior» -, o Benfica provou que tem estofo para ultrapassar a fase inicial da Liga Europa e conseguir grandes feitos nas outras competições. Até na Liga Intercalar, goleamos, com remates certeitos de...Javier Balboa. Vamos ver o que irá acontecer, mas as perspectivas de sucesso são, de facto, magníficas.


video

terça-feira, 20 de outubro de 2009

A Azia

Tenho a certeza que a azia dos adversários começa a atingir limites impensáveis, na falta de derrotas e desaires do Glorioso, o assunto é o facto de um jogador ter entrado em campo com a camisola de outro. É grave trocar a camisola, é inaceitável, já comprar àrbitros durante décadas é normal e salutar, dá saúde e faz crescer. É por isso é que o futebol se encontra neste estado, é mais importante valorizar o acessório do que o essencial e vital para a verdade desportiva. E ainda temos de ouvir paineleiros incultos e desonestos vomitar alarvidas após o jantar.

domingo, 18 de outubro de 2009

Galácticos somos nós

O Benfica conseguiu, ontem, mais uma goleada neste surpreendente início da época, demonstrado que, neste momento, está ao melhor nível do que se produz na Europa.

Frente ao Monsanto, não estiveram jogadores que têm sido fundamentais na estratégia de Jorge Jesus e nem sequer foi preciso muito esforço para ganhar por 6-0. É verdade que o adversário, com alguns momentos interessantes, pertence à segunda divisão, mas, nestas últimas épocas de crise desportiva, surgiram equipas semelhantes, e a equipa não reagia como agora.

As virtudes viram-se em pormenores, como o fantástico golo de Felipe Menezes: não o conhecia e parece que, de facto, o Benfica descobriu um grande talento no Brasil. O segundo golo de Carlos Martins, autor de grande exibição, foi brilhante, e Saviola nem parecia que tem pouco mais de 1.60 metros quando marcou de cabeça, antes daquela assistência acrobática.

Fábio Coentrão voltou a provar que tem de ser utilizado com regularidade e até César Peixoto, jogador que não tem encantado os adeptos, fez um golo.




video

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Uma questão de Fundo

Ao contrário do que era expectável muito pouco se tem falado acerca do recentemente criado fundo de jogadores (Stars Fund). Com excepção do antigo administrador de uma instituição financeira que actualmente preside um clubezito auto intitulado de diferente poucos foram aqueles que produziram ou emitiram opinião sobre o assunto. O facto de se tratar de um fundo fechado, a informação total sobre o funcionamento do mesmo está assim mais condicionada, e só com o tempo é que nos vamos apercebendo como as coisas efectivamente vão funcionar em especial ao nível das transacções de jogadores incluídos (determinada percentagem do passe) no dito fundo.
Para já e no imediato parece-me que do ponto de vista estritamente desportivo a criação do fundo não perturbará ou beneficiará a época desportiva em curso, sendo uma incógnita se influenciará no futuro.
Em termos financeiros já não será bem assim. De uma forma simples esta medida representa uma antecipação de possíveis receitas. E na palavra possível poderá residir toda a diferença para o sucesso ou insucesso do fundo (no que ao Benfica diz respeito). Vender hoje por determinado preço poderá significar deixar de ganhar no futuro uma verba superior sendo que o inverso também é possível. Num mundo como o do futebol onde o que hoje é 80 amanhã poderá ser 8 assim como o inverso, não me parece uma má solução.
Se entrarmos em questões mais técnicas que se prendem com o valor temporal do dinheiro, ou seja, será que mais vale ter hoje 10 ou amanhã 15, esta tende claramente para o primeiro factor, até porque os 15 são apenas uma possibilidade, a implementação do fundo será mesmo uma interessante medida de gestão.

Em suma e depois desta lenga lenga que nada acrescenta ao que de pouco se tem falado sobre o tema, se o Benfica ganhar e enquanto ganhar o Fundo foi uma boa medida, se perder terá sido uma má opção.

David mais forte do que qualquer Golias

O Benfica garantiu a renovação do contrato com David Luiz até 2015, que prevê uma cláusula de rescisão de 50 milhões de euros. Esta época já jogou a defesa-esquerdo, mas é como central, onde se fixou em definitivo, que consegue explanar com mais sucesso as suas qualidades: rápido, ousado, duro a defender, sempre com apetência ofensiva, embora, por vezes, seja demasiado impetuoso, talvez fruto de ter apenas 22 anos, o que não o impede de, actualmente, ser o melhor defesa-central do clube.

A margem de progressão existe e ganha dimensão, também, devido ao espírito guerreiro, daqueles que suam a camisola até ao limite, e demonstra estar de alma e coração no Benfica: «Só saio quando o Luís Filipe Vieira quiser», afirmou depois de ter prolongado o contrato.

Ou seja, o Benfica pode, com David Luiz, ter sucesso desportivo e conquistar, caso seja transferido, forte mais-valia financeira.


O aviso de Vieira

Luís Filipe Vieira admite, segundo A Bola, que irá buscar quatro atletas a Alvalade caso o Sporting alicie jogadores do Benfica, depois de Eleonor Tavares ter sido contratada por Moniz Pereira. Antes, Marco Fortes - o tal que de manhã só está bem na caminha, como disse em Pequim - deixou o Sporting para ingressar na Luz. Ao contrário dos críticos leoninos, o «pacto de não agressão» foi quebrado pelos sportinguistas, quando, por exemplo, contrataram Luís Almeida. No entanto, se Vieira cumprisse a promessa, no departamento de futebol rival, ficariam, praticamente, sem todos os atletas que jogam à bola: Liedson, Izmailov, João Moutinho e Vukcevic, porque, tirando Miguel Veloso, quando não está a amuado, a mudar o corte de cabelo ou a perder peso, o resto é «paisagem».


quarta-feira, 14 de outubro de 2009

E se agora houvesse eleições?

Se bem se lembram, fui um dos maiores críticos da artimanha utilizada por Luís Filipe Vieira e restantes membros dos órgãos sociais para anteciparem as eleições de Outubro para Julho. Por isso, pus logo de lado a possibilidade de votar na sua lista e fui um dos cerca de 1100 benfiquistas que votaram em branco. Sem a antecipação, estaríamos agora em animadíssimo período pré-eleitoral, com acusações várias entre os diferentes candidatos, como costuma acontecer. É evidente que ninguém, neste momento, estaria com grande disposição para essas disputas, face às brilhantes carreiras das nossas diferentes equipas, sobretudo a de futebol. Mas seriam as eleições capazes de desestabilizá-la? Não creio. E não tenho dúvidas de que, por muito credível que fosse uma eventual oposição, Luís Filipe Vieira ganharia folgadamente. Só não há eleições agora porque, se calhar, o presidente não confiava assim tanto em Jorge Jesus. Tivesse ele projectado semelhante início de temporada e provavelmente a estratégia teria sido outra.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

JEB não. JEGUE!!

Nem tudo tem de ser sério e formal

A história passa-se entre um benfiquista que encontra Bettencourt no elevador após uma vitória por exemplo contra o Paços de Ferreira é que são tantas que havia várias hipóteses.

Na verdade, o Benfiquista já trazia um grãozinho na asa fruto do sumo de cevada saboroso, ao chegar à porta do elevador vê de soslaio um vulto cabisbaixo e indolente na direcção do mesmo e se é verdade que lhe pareceu alguém conhecido, não queria acreditar que seria o JEB, atirou as culpas para as bejecas que já tinha despachado. Como individuo educado que é deixou passar a pessoa e esperou para desfazer as dúvidas no interior do compartimento. A luz que emanava do interior serviu para se aperceber que estava na frente de sua senhoria o Presidente do Sporting, o rei dos lagartos.

Inicialmente considerou uma grande infelicidade a partilha de espaço com este freguês, mas depressa se apercebeu que estava perante uma oportunidade única para confrontar o papagaio verde. Fingiu que ia cair e tocou no botão de alarme do elevador, levantando-se de seguida.

JEB – O elevador parou

Adepto Glorioso – Pelos vistos, neste País já há tanta coisa a parar fazendo-se de parvo mas a dar já uma bicada nas exibições do outro, mas o sr é o Presidente do Sportem.

JEB - Sou sim e com muito orgulho

Adepto Glorioso - Gostava de lhe agradecer o trabalho maravilhoso que tem feito, estamos muito satisfeitos.

JEB- Até que enfim que me reconhecem a capacidade de trabalho e inteligência e de gestão, e já ia por aí fora

Adepto Glorioso – interrompe, e Paulo Bento aquela estória do forever é a valer?

JEB – Claro eu vou até ao fim sabe que eu sou muito racional

Adepto Glorioso – temos reparado, faz muito bem

JEB – Já vi que o Sr é uma pessoa esclarecida

Adepto Glorioso – Aqui para nós, que ninguém nos ouve, o sr tem problemas com a bebida?

JEB – Porque pergunta isso?

Adepto Glorioso – Por causa da questão da Sagres e da Super bock, ó homem beba qualquer coisa, porque com a quantidade de golos que o Sporting marca qualquer uma serve para celebrar e uma grade deve dar para todo o ano

JEB – Desculpe era uma questão de atitude, queriam oferecer mais ao Benfica, algo que eu achei inaceitável

Adepto Glorioso – E rasgou o contrato da cerveja, não me diga que quando assinou o papel já tinha bebido uns birinaites

JEB- já desconfiado com as questões tão pertinentes, assume uma posição mais fria e distante. Eu não bebo em serviço, muito menos quando se trata de assuntos tão importantes como assinaturas de contrato

Adepto Glorioso – Que mais tarde vai rasgar, mas isso agora não interessa, ainda assim a parte da bebida ainda não ficou esclarecida, J&B? É uma alcunha ou você é tão carroceiro que já lhe meteram o nome dum Whisky, não me vai dizer que é só por a garrafinha ser verde?

JEB – você é um ignorante o meu nome é José Eduardo Bettencourt e tratam por as iniciais, e você deve ser lampião?

Adepto Glorioso – Com muito gosto eu acho que você deveria ser JEG(jegue) e não Jeb, tinha mais a ver consigo…

JEB – Tá calado pá, tá calado

Adepto Glorioso – Numa coisa vocês têm razão o vosso fundo é muito maior e mais bonito que o nosso, e apesar de não ter o Javi Garcia tem baleias como o Veloso e um arrastão como o ângulo

JEB – Tá calado pá,

nisto JEB liga para o seu amigo morador no prédio e diz que este chame a policia e assistência dos elevadores por estar a ser importunado.

Adepto Glorioso – Assistência. Assistência, e imitando um gravador disse marque o 16000 e se não aparecer ninguém fica a saber a média de espectadores do Sportem.

domingo, 4 de outubro de 2009

Com o credo na boca

Pinto da Costa anda nervoso, e não, não vou falar das meias solas que a Filomena Pinto da Costa ainda levava e da possivel incapacidade para a suposta satisfação doméstica. Fala porque talvez já tenha percebido que o seu periodo esteja a terminar e certamente que não é porque o Benfica jogue em casa, o ciclo está a chegar ao fim e a capacidade reprodutora da máquina que durante anos foi fértil está a dar os últimos golpes. Isto acontece não porque os homens do apito sejam mais selectivos mas porque o Benfica tem demonstrado uma boa capacidade e ele já percebeu que o reinado está a terminar, o seu e da sua associação de velhas oportunidades.
Ao afirmar que o departamento de prospeção do Benfica tinha feito um bom trabalho porque lhe permitiu recrutar Falcão, demonstra que nem os trabalhos de casa com cafés e chocolates e já agora fruta e muitas e muitas putas podem levar o seu clube a vencer o campeonato e que é preciso mais, é preciso espicaçar o Benfica, é uma assumpção da sua inferioridade e não acredito que vá afectar os nossos jogadores. Já ninguém se recorda que este condecorado corrupto pelo Presidente do nosso País foi condenado pelos tribunais e que recomeça a estrebuchar, estou certo que é o fim dum capitulo muito escuro do futebol e do desporto, são os últimos suspiros do Dinossauro.

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Classe

O Sr Pinto da Costa numa das suas incursões tão aclamadas pela nossa comunicação social tentou dar uma alfinetada ao nosso clube pela contratação de Falcao. Até poderia ter conseguido não fora a excelente resposta que obteve de Rui Costa. Com toda a classe do mundo, numa clara demonstração que de fato tem jogadas tão deliciosas como com o equipamento do Glorioso, respondeu-lhe à letra com sublime ironia.

"Não percebo bem se é um elogio à nossa prospecção ou se é um puxão de orelhas à prospecção do FC Porto..."

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Ao ritmo de César

As derrotas do Benfica têm o condão de me deixar verdadeiramente irritado, este súbito regresso ao passado recente da nossa equipa, contudo, não me irritou. Uma derrota acontece, esta até poderia facilmente e sem forçar muito ter sido evitada não fora o guarda-redes contrário e alguma displicência na finalização. Uma exibição menos conseguida é natural (esperava que acontecesse em Paços, antecipou um jogo) principalmente quando as pernas não respondem, e a equipa do Benfica fisicamente não está bem para conseguir jogar ao ritmo que o tem feito. O que verdadeiramente me irrita é a não percepção do porquê das coisas. Todos os treinadores têm as suas teimosias, JJ não é excepção, mas torna-se verdadeiramente desesperante a sua teimosia na aposta em César Peixoto.
Supostamente, e é o treinador quem o afirma, que não há lugares cativos, que joga quem está melhor para o fazer. Ao analisar as exibições de Shafer e as de César, não encontro qualquer razão para a escolha deste ultimo em detrimento do primeiro, contudo, continuamos a ver o marido de Diana Chaves em campo e sistematicamente a jogar mal, muito mal.
As derrotas não se podem imputar a um único jogador, no entanto, parece-me evidente que a equipa hoje foi caindo e caindo para o nível das exibições do Peixoto. As suas percas de bola, com passes disparatados, a não eficiente cobertura do flanco, a inexistência ofensiva foram demasiado gritantes e puxaram a equipa para trás. Julgo que todos vimos, espero que JJ também o veja.

Será agora que veremos do que é feita a equipa técnica e o próprio plantel, quando ganhamos é tudo bonito, mas quando se perde é que se vêm os homens e a sua qualidade. Espero resposta positiva para Paços, pois a qualidade existe e foi demonstrada pelo que temos que continuar a acreditar que esta inesperada lembrança seja isso mesmo, apenas uma má noite e uma péssima memória.

Antevisão AEK - BENFICA

Hoje regressamos a Atenas, berço da civilização ocidental, mais ou menos um ano após a vergonha que lá passamos no jogo contra o Olympiacos. Passado um ano, muita coisa mudou, o treinador é outro, a equipa joga noutra táctica com alguns jogadores novos e a Atitude, meus amigos, a Atitude desta equipa é que mudou radicalmente!

Apesar do mau momento de forma do AEK, a dificuldade deste jogo é de nível elevado pois jogar em ambientes gregos é sempre complicado. O belo estádio olímpico de Atenas tem uma pista de tartan a separar o relvado das bancadas mas o inferno está lá. Para além disso, para o AEK de Atenas este jogo pode servir de redenção perante os seus adeptos, depois de terem sido goleados pelo Everton. Por conseguinte, os seus jogadores vão dar o tudo por tudo neste jogo.

Esta é pois uma boa oportunidade para a nossa equipa apagar a má imagem que demos o ano passado na Grécia, bem como a atitude "medrosa" que tivemos na última edição da Taça UEFA. É também um excelente teste para a nossa equipa, pois vamos defrontar uma equipa teoricamente mais difícil do que as que já defrontamos no nosso campeonato, que não vai jogar à defesa de certeza. Veremos a massa de que este Benfica é feito e que dirá muito do percurso que poderá fazer na actual Liga Europa, antiga Taça UEFA.

Com a confiança que a nossa equipa tem, espero que enfrente este desafio para ganhar, o que deixaria as contas para a qualificação muito facilitadas. Veremos, a partir das 18h00 na SIC.